Pular para o conteúdo principal

Lionel Terray - Os Conquistadores do Inútil - Para refletir

Sou um cara que adora a leitura. Alguns escritores já me impressionaram e sou muito fã daqueles que sempre buscaram a simplicidade. Thoreau é sublime, junto com Bukowski, Amyr Klink, as sutras budistas e poucos mais. No ramo da aventura, escritores intensos também são meus favoritos: David Breashers, Joe Simpson, Reinhold Messner e Lionel Terray, que escreveu as belas palavras abaixo. Estas, transcrevi de seu livro Os Conquistadores do Inútil. São palavras muito "George Volpão".

Abraços!

========================================================================


"A minha vida não foi mais do que um longo e delicado jogo de equilíbrio entre a açãogratuita, por meio da qual perseguia o ideal da minha juventude, e uma espécie de prostituiçãohonesta que me garantisse o pão de cada dia.Que espírito vulgar ousará pretender que aprostituição útil valia mais do que as empresas gratuitas? Aliás, excetuando as sociedadesprimitivas em que cada gesto tem a sua razão de ser no instinto de sobrevivência da espécie, oque é uma ação útil? Se, a fim de esquecer o vazio da sua existência, muitos se embebedamcom palavras e falam da sua "missão", do seu "papel", da sua "utilidade social", como todasestas palavras são convencionais e desprovidas de sentido! No nosso mundo anárquico esuperpovoado, quantos podem gabar-se de serem verdadeiramente úteis?... São úteis osmilhões de intermediários cheios de títulos honoríficos que invadem a economia? Os milhões de amanuenses, de cronistas, advogados e faladoresde todos os gêneros, que poderiam ser suprimidos amanhã para bem de todos?... E serão atéúteis os médicos que, nas grandes cidades, disputam a clientela como cães esfomeadosenquanto por toda a parte morre gente por falta de cuidados?... Neste século em que ficouprovado mil vezes que a organização racional permite reduzir em proporções fantásticas onúmero de homens necessários a cada tarefa, quantos podem garantir que são uma dasengrenagens verdadeiramente úteis à grande máquina do mundo?"

Lionel Terray

Comentários

  1. PQP.
    Aonde precisando ouvir isso.
    Valeu !

    ResponderExcluir
  2. Salve Xampa. Aí deixo a pergfunta: É ou não é? Simplicidade sobre todas as coisas!

    Abraços piá! Ah, e super massa o post sobre a Tijuca. Ah se eu tivesse isso perto de casa =)

    ResponderExcluir
  3. bem bacana esse trecho que você selecionou, George!
    a última frase, então, está latenjando aqui na minha cabeça...
    vou procurar esse livro...

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Terray é o cara! Só li a versão do PDF mesmo...

    Bjs Elis!

    ResponderExcluir
  5. Cara, este livro tem em PDF ? domínio público ? Se puder passar agradeço... li os dois há uns bons 20 anos, tá na hora de rever...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.