Pular para o conteúdo principal

Como correr sua primeira maratona

Conforme prometido...

Que roubada... A amiga Patrícia do blogue Correr para a Vida já deixou um comentário no post anterior já se dizendo ansiosa por este texto que aparece aqui. Deixou responsa pra mim hein, rs? A Lilian de Presidente Prudente, através do twitter, também anda bastante acesa com a idéia de correr a Martona de Curitiba aqgora no próximo mês.. Mas na verdade é apenas mais um exemplo de como o assunto é fascinante e da esperança que muitos, assim como eu, possam encontrar uma espécie de receita de bolo de maratona. Nessa receita entrariam os ingredientes (treinamento, descanso, alimentação, equipamentos, etc) e o modo de preparo (treinar tantos km, comer isso ou aquilo, usar essa meia, etc).

Não sei fazer as contas de quantos reais gastei comprando revistas, me informando, buscando realmente uma solução mágica para correr minha primeira maratona. Anos de leituras, pesquisas, perguntas aos corredores... No fim das contas a receita já tentou ser aprontada por várias pessoas. Apesar de só ter corrido duas maratonas já tentei bolar uma receita. Mas a real é que não rola.

Mas como prometi que escreveria sobre como correr sua primeira maratona eu deixo aqui pelo menos alguns temperos, rs.

1-) Esteja correndo regularmente distâncias menores há pelo menos dois anos.

2-) Treine bastante volume se a idéia é apenas completar a prova. Em meu caso foi assim. Nada de intervalados que detonam músculos e exigem boa recuperação entre as sessões de treinos. Dois longos por semana, sendo na verdade um "meio-longo". Longão de verdade no sábado e o "meio-longo" na quarta. Entre eses dias nada mais que trotinhos de no máximo 10K. Lembro que isso só funciona se você não tem pretensão de fazer tempo na prova. Se eu quisesse traçar uma previsão de conclusão da maratona com base nos meus tempos de 10K teria que treinar muito mais do que treinei. Como eu queria apenas chegar no final e sem dores, tratei de cuidar só dos longos.

3-) Teste tudo que vai usar na prova durante os treinos. Não descubra apenas na prova que seus mamilos sangram com determinado tipo de camiseta ou clima. Teste tudo mesmo: roupas, meias, alimentação, ritmo, tudo o que for possível.

4-) Alimentação durante a prova. Para mim géis energéticos não funcionam após duas horas de treino. Tem que ter "substância". Então recorri às batatas fritas (já são famosas as suas propredades entre os ultramaratonistas), amendoins e chocolates.

5-) Água sempre! Cuide com o excesso de isotônico. São muito ácidos e possuem glicose que se ingerida em grande quantidade provoca desconforto gástrico. Paguei meus pecados na Maratona do Rio ao tomar isotônico em cada posto de hidratação.

6-) O dia anterior. Nada de zanzar pela cidade no dia anterior da prova. Você irá correr a sua primeira maratona. Deve descansar e relaxar.

7-) O café da manhã. Pouca gordura, pouca fibra e algum carboidrato, de preferência até 3 horas antes da prova. Se for muito cedo, duas horas antes costuma dar conta do recado.

8-) Sorria. Cacilda, não consigo entender como tem gente que vai correr uma prova fantástica como essas e se comporta como se fosse para uma guerra. Cenho franzido, cotoveladas na largada, som alto na orelha... Também não entendo os que inventam desculpas tipo: "ah, não treinei direito, não dormi bem, dorzinha na unha..." Aproveite para sorrir, estufar o peito e dizer que irá fazer o seu melhor e, principalmente, se divertir. Apóie os demais participantes. Incentive alguém que você note estar com semblante desanimado. Converse durante a prova. Seja gentil, tanto na corrida quanto na vida. Faz bem para nós e para o mundo.

E dica final:

9-) Escreva para mim assim que cair a ficha ok? Quero partilhar dessa alegria única!

Na verdade poderia falar muito sobre o que fazer para correr melhor. Mas na verdade eu talvez não entenda muito disso. Entendo apenas (e olhe lá...) de como correr e ser feliz do jeito que eu corro.

Grande abraço a todos!

Comentários

  1. Bom artigo! Simples e direto!

    Eu vou passar este ano, por causa do joelho. Ano que vem tem mais!

    Abraços!

    Rodrigo Stulzer
    transpirando.com

    ResponderExcluir
  2. Volpão,

    Eu diria ainda:

    - faça pelo menos um longo (de 30k?!) pra saber como é e cmo você está;
    - maratona é 30% físico e 70% psicológico. Esteja motivado, divida os 42k em pedaços menores e dedique a alguém que você considera;
    - numa maratona, ter muito posto de água é normal portanto não vá com sede ao pote. Água demais = +suor = -sal no corpo.

    Dicas há de monte, é só uma questão de juntá-las e aproveitar as melhores.


    Abçs!!

    ResponderExcluir
  3. Mandou muito bem !!!
    Contou a história e de forma simples mostrou o caminho.
    Nada de coisas mirabolantes que nego inventa, que no fundo, eu acho, complicam mais do que ajudam.
    Na verdade, as coisas são simples e nós que complicamos.
    Voltei de férias com isso na cabeça. Acho que fruto de tanto fazer e desfazer malas. Ainda tinha que manter o máximo de 23 kilos nas malas. Nessas horas, vc vê como leva coisas que não vai usar. Enfim, filosofia de viajante.
    Abs e parabens pelo post.
    Abs.

    ResponderExcluir
  4. Olá, Pepe!
    Expectativa atendida! Com sua linguagem objetiva, mostrou o que precisamos para correr bem uma maratona.
    Dentro da minha modéstia carreira esportiva, maratonas a partir de 2011. Quero aprimorar minha técnica, fazer mais algumas meias para ter mais intimidade, emagrecer um bocado e aí sim!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.