Pular para o conteúdo principal

Desafio Praias e Trilhas 2009

Sim, sobrevivi!

Correr a Praias e Trilhas é modo de dizer. Tem tanto barranco que se anda muito. E quando é plano, nas praias, a areia é solta. No revezamento em tres pessoas com certeza a parada foi muito dura também. E tudo sem propagandas em revistas, tudo sem televisão, muito menos sem "seletivas" por assessorias convidadas apenas com interesse em vender determinado produto. No Desafio Praias e Trilhas a seletiva era mesmo a coragem de encarar 84 km em terrenos irregulares, pagar por isso e receber em troca muito mais que holofotes. Recebemos belas paisagens, muito companheirismo, além de uma excelente organização comandada pelo Prof. Carlos Duarte e sua eficientíssima equipe da Ecofloripa Eventos.

Três companheiros de experiência lá estiveram e convido vocês a lerem seus relatos: o Alberto Peixoto, o João Gabbardo e o Daniel Meyer, vencedor do ano passado. Cada um conta a seu modo como foi a experiência de participar de um evento deste porte.

De minha parte posso dizer com certeza que foi a prova mais difícil de que já participei nessa minha curta existência como amante das longas distâncias. Com a bagagem de "apenas" duas maratonas anteriores resolvi encarar esta. Não me arrependo!

Acreditar nos sonhos e trabalhar para realizá-los é o que me leva sempre adiante. Passar 15h51min amassando barro, chutando pedra, se afundando na areia foi a melhor compensação do esforço que eu poderia imaginar.

Filmei e fotografei bastante, principalmente no primeiro dia, quando corri com a câmera todo o trajeto.

Poucas foram as dores no dia seguinte e muito grande é a vontade de partir para desafios maiores. Afinal, se eu me diverti muito nessas quase 16 horas de prova você consegue imaginar a curtição que deve ser correr por 30 ou 40 horas?

Durante a semana vou colocando as fotos e vídeos de tudo o que rolou, bem como mais impressões. Material não falta.

Buenas!

De onde viemos? Para onde vamos? Pergunta comum de um ultramartonista em trilhas.




Costeando um morro, em seguida descendo para encarar mais uma praia.



Modelito nada fashion mas muito adequado para o calor que fazia: salomon speedcross, meias e bermuda de compressão, camiseta com menos de 90 gramas de peso, mochila de hidratação, óculos escuros, boné e lenço para proteger o rosto contra o sol e a areia que era soprada com os fortes ventos.



Olha um carinha lááááá embaixo, já correndo na areia. e eu descendo, moendo os quadríceps na trilha pra chegar lá, uns 10 minutos depois.

Comentários

  1. George,
    Concordo plenamente contigo que essa prova foi sensacional e muito difícil.
    Hoje estou hiper quebrado, mas com muito orgulho de ter feito uma das provas mais difíceis do Brasil.
    Lê o meu relato
    http://maratonistapernambucano.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Parabens por mais uma prova.
    O modelito estava parecendo da Legião Estrangeira. Mas, adequado, como vc bem disse.

    ResponderExcluir
  3. Já disse quando eu crescer vou querer ser que nem vcs, parabéns cara vc deu showww de bola tanto correndo e registrando tudo, pois ainda um dia irei correr uma prova dessas com vcs, showww de bola...Quanto ao desafio da Nike se tivesse correndo para mim seria mole, pois eles corriam 7km e iam para van descansar e a noite dormiram num hotel asim é mole...Parabéns mais uma vez e que novos desafiam apareçam.

    Um abraço,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.