Pular para o conteúdo principal

Correndo, andando, escalando, rastejando...

Assim é a vida de quem gosta das montanhas... Basta ver um belo dia de sol e corre em direção a elas. Alguns pegam seus possantes veículos e cobrem a distância desta forma. Já o George preferiu ir correndo.

De casa até a base do Morro do Anhangava não levo mais que 1h30min de passadas tranquilas.

Tenho uma relação muito próxima com o Morro do Anhangava, montanha com 1.420 metros de altitude e que está localizada em município vizinho ao meu, a bela Quatro Barras. De Curitiba, capital paranaense, o Anhangava dista aproximadamente 30 km. Esta montanha trata-se de uma clássica para o apaixonado pelas alturas. Geralmente é lá que se inicia, que se tem o primeiro contato com um ambiente verdadeiramente de montanha. Seu acesso é tranquilo, inclusive para crianças, que assim podem ter um belo contato e uma atividade intensa e divertida junto à natureza. Foi lá que tudo começou para mim também, quando em 28 de janeiro de 1995 atingi seu cume pela primeira vez, despertando em mim um forte senso de aventura e desejo de conhecer mais das montanhas do mundo. Graças a essa experiência primeira no Morro do Anhangava eu subi montanhas nos Andes, posso garantir.

Escaladores também se utilizam de suas formações graníticas para se divertir nas centenas de vias de escalada existentes por lá, atendendo todos os níveis de preparo e experiência.

Em meu caso, no domingo dia 31 de janeiro resolvi encarar a montanha chegando correndo à sua base, subindo-a o mais rápido que meus judiados pulmões permitissem. Após devorar um lanche lá em riba despenquei para casa novamente. Não contava com o forte sol e a ausência de um lugar para comprar água. Por outro lado, pude contar com a hospitalidade de moradores da Borda do Campo, vilarejo colado à montanha e que me serviram de uns litros do precioso líquido, enchendo assim o cantil e partindo pela estrada sacolejando a mochila.

Pecados pagos e culpas expiadas, no conforto do lar preparei o vídeo tosco que segue abaixo.

Um beijo!




Comentários

  1. Sensacional!!!
    A idéia do vídeo e muito boa,você nós leva a sentir vontade de correr em trilhas e montanhas.

    Bons Kms
    Fabi =)

    ResponderExcluir
  2. Montanha realmente boa para exorcizar demônios...e se divertir, rs*. Treino Bom.D+.

    ResponderExcluir
  3. Into the Wild é uma ótima trilha sonora. Ainda mais em montanhas. O final, com as fotos, ficou show!

    Abraços!
    Rodrigo Stulzer
    transpirando.com

    ResponderExcluir
  4. Ge, essa música é minhaaaa! rs
    (Parece papo de bêbado, mas AMO essa música!)

    Adorei o vídeo.

    Beijo

    Ket

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.