Pular para o conteúdo principal

De como o calor afeta a (minha) performance

É sabido por todos nós que essa primeira semana de fevereiro de 2010 tem sido marcada pelo forte calor nas regiões sul e sudeste de nosso Brasil. Lendo relatos em blogs e no twitter de amigos meus, os comentários são sempre sobre a queda de ritmo, o maior sofrimento e até mesmo a redução da quilometragem esperada para a sessão.

Estudos científicos, inclusive recentemente publicados na Revista Go Outside recentemente, comprovam isso.

Mas que coisa: eu adoro correr no calor! Então vamos nessa. Durante essa semana, como sempre não treinei muito. Minha quilometragem semanal chegou a apenas 45 Km, o que pra mim é mais que suficiente. Durante a semana por questões de (apertada) agenda, eu corro na madrugada, antes de amanhecer. Mas no domingo 07-02 quis sentir de novo o calor forte, saindo para uma corrida de 12 Km por volta das dez e meia da manhã.

O calor me afeta a performance? Com certeza. Eu busco performance em treinos? Não, com certeza. Hora de mostrar resultado é em competição. Dane-se se meu pace cai 7 milionésimos de hora em um treino no calor. E ainda conto com a vantagem de caso me deparar com condições quentes em competições, eu já ter real noção de como meu corpo funciona.

O amigo do twitter @eduardo_acacio que mantém o blog Porque Eu Corro comentou hoje comigo sobre essas insanidades. As pessoas possuem diferentes preferências e seus organismos também funcionam de forma diferente. É o caso dele, que prefere madrugar para fugir do calor. Eu prefiro dormir um pouco mais e encarar a fornalha do primeiro planalto paranaense.

É preciso, claro, cuidar com os excessos e principalmente ouvir os sinais do corpo: vermelhidão, pele seca e quente, tonturas, respiração forçada...

Uma dica que aprendi, sigo sempre e me mantém sob controle é simplesmente parar de correr e caminhar por 30 segundos a cada 5 minutos de corrida. Nesse intervalo conseguimos reduzir a temperatura corporal alguns décimos de grau (é impressionante ver a pele se arrepiando pra dissipar o calor recebido do sangue que deixa de circular nas pernas pra movimentar a musculatura e se dirige para a pele). Outro fator que rola é o suor que cobre a pele e quando voltamos a correr refresca bastante.

Acho que o calor sim me afeta o cérebro, tendo idéias insanas como ultramaratonas no deserto, travessias de montanha no verão e outras coisas.

A sensação de superação, de dificuldade, de batalha mesmo é incomparável. Que graça tem correr uma prova ou treino onde tudo está perfeito?

As montanhas que subi, as corridas que participei, sempre as mais lembradas são as mais duras, as mais sofridas e as com maiores dificuldades.

Então, hora de curtir o calor e esperar pelo inverno. Sim, porque também adoro correr com temperaturas negativas do primeiro planalto paranaense.

Um beijo!




George em setembro de 2007, correndo uma meia maratona em montanha sob 29 graus.

Comentários

  1. Interessante esse descanso de 30 segundos a cada 5 minutos de corrida. Não acaba sendo muita caminhada? Você está se referindo a um trino de quantas horas? Quanto ao calor, meu Deus do céu! Está de matar. Ora sou do seu time, e prefiro dormir um pouco mais, ora dou do time do Eduardo Acácio, e prefiro acordar bem cedinho... Bons treinos.

    ResponderExcluir
  2. Até onde devemos ir? Nossa mente mandar correr e nosso corpo manda parar! A única certeza é a hidratação constante durante os treinos e provas. Não gosto de calor, porém não sou homem da neve pra viver no frio ou um Esquimó para ter uma casa de Iglu. Vá, mas vá com calma e se hidrate bem.

    Abraços
    Correguto

    ResponderExcluir
  3. Texto sensacional! Parabéns!
    Tbm prefiro e sempre espero ansiosamente pelo forte verão.
    Sei lá, tenho uma sensação bem maior de superação. Não chego a desejar ultramaratonas no deserto como vc (claro, é maluco), mas adoro.
    Muito boa a dica de caminhar a cada 5 minutos, vou segui-la antes de ter aquela sensação de “será que eu morri?” hehe!
    Outro ponto que adorei: Não ser pego de surpresa numa competição.
    Valeu, George! Aguardamos ansiosamente o próximo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.