Pular para o conteúdo principal

Ano novo, vida nova e mimimi

Banho de rio por três dias seguidos. Banho de verdade: peladões.
Oi!

Primeiro post do ano, já com promessa: Escrever e publicar todas as terças-feiras. Conseguirei? É uma promessa, apenas. Otimista que sou, vai dar certo.

Aqui apenas para dizer que as mini-férias foram excelentes. Acampamento na Fazendo Pico Paraná, que prefiro chamar mesmo de Fazenda do Dílson, nome de seu proprietário. Relações pessoais são mais interessantes. Não gostaria que chamasse minha casa de Solar dos Volpão, como as vezes brinco. Casa do George e da Barbara é mais legal.

Fomos para lá no último dia do ano. Levamos a barraca grandalhona, aquela que nos serviu de lar nos meses de abril e maio de 2013. Foi muito bom voltar ao "velho lar", mesmo com o colchão de ar apresentando vazamentos na madrugada...

Resumão:

31-12: Corrida em trilha até a Pedra do Grito (+- 1.200m). Retorno, banho de rio pelados, jantinha sem frescuras com vinho. A ideia era subir o Caratuva para acompanhar a "virada", mas o tempo chuvoso, instável e com alguns trovões me desestimulou. Celebramos na própria fazenda, com novos amigos. Sidra Cereser para todos!

01-01: Sem ressacas, partimos rumo ao Morro Taipabuçu (1.734m). 3 horas de caminhada depois, com direito a uma trilha muito fechada neste auge de verão, uma vista única e incrível das montanhas do setor norte da Serra do Ibitiraquire. Éramos os primeiros a frequentar a trilha e o cume desde o início do novembro anterior, o que dá um gostinho especial. Uma montanha mais "selvagem". Descida tranquila, já com a trilha mais aberta. Alguma chuva de verão no retorno, mais banho de rio pelado e uma leseira gostosa após as quase seis horas de atividade com direito a vinho gelado com água de rio. Equipamento usado:
- Tênis The North Face Hypertrack;
- Meias Jamur Bikes;
- Shorts The North face GTD (me arranhei todo no mato...);
- Camiseta Força Vegana;
- Chapéu de Lona;
- Óculos Rudy Project Sensor;
- Mochila Deuter Pace 20 contendo:
- Garrafa térmica Camelbak Podium;
- Kit de primeiros socorros (não usado, ufa);
- Corta vento The North Face Verto (não usado);
- Poncho Quechua (nem cheguei a usar, a chuva foi leve);
- GPS Etrex 20;
- Câmera fotográfica de bolso Nikon S5000 ;
- Potinho com castanhas de caju e cranberries;
- Biscoito recheado tipo wafer;


02-01: Morro Caratuva (1.850m) no mesmo esquema - sem pressa. Dia mais quente e sem chuvas, pelo menos até nosso retorno. Repeti o equipamento, o banho pelado e o vinho no final. Aqui a atividade: http://www.strava.com/activities/236737147

03-01: Choveu durante a madruga e nosso suprimento de gás para o fogareiro no final. Hora de voltar à cidade.

04-01: Corrida de 12 km (acho) por Quatro Barras, Borda do Campo e região. Ovos estragados fizeram seu efeito. Diarreia amarelo gema no meio da corrida (sem fotos, infelizmente).

E vamos que é ano novo, vida nova e mimimi. Sem fotos felizes no instagram ou facebook. Aqui é o meu lugar.

Feliz 2015 brous!

Algumas imagens abaixo. Tem mais no Flickr:

https://www.flickr.com/photos/george-volpao/sets/72157650132324912/



Pico Paraná (1.877m) visto do cume do Taipabuçu (1.734m). Sexta vez neste cume, sendo a primeira no dia 10 de março de 2002.

Cume do Caratuva (1.850m) pela 25ª vez. Primeira ascensão minha também no dia 10 de março de 2002.


Cereser rules!

Cabeludo, pançudo e feliz! Feliz 2015!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl