Pular para o conteúdo principal

Hidratação nas Corridas de Montanha

Correr em trilhas exige uma abordagem diferente no quesito hidratação se compararmos com as corridas de rua. É preciso conhecer a prova que se vai competir, ou o local onde se vai treinar, conforme for o caso. Abaixo eu comento um pouco sobre o que é melhor fazer em cada situação.

Diferentemente da imensa maioria das corridas de rua, as provas realizadas em trilhas muitas vezes conta com poucos postos de hidratação. Muitas delas nem os oferecem. É um ingrediente a mais no desafio de superar longas distâncias correndo em trilhas. As provas mais curtas, de até 12 km costumam contar com postos de hidratação, no mesmo esquema que as corridas de rua. Já as provas mais longas muitas vezes contam apenas com estações de reabastecimento, que disponibilizam comidas e algum tipo de hidratação, muitas vezes sopas quentes, no caso das provas européias nas geladas montanhas de lá. Água, sucos e isotônicos são os mais presentes por aqu. Mesmo assim, dada a distância que estas estações de abastecimento se encontram faz-se necessário carregar seu próprio líquido. E isso só tem uma solução. Lançar mão de pochetes ou mochilas de hidratação. Inclusive é item obrigatório de algumas competições.

Vale lembrar que nada muda com relação à frequência de ingestão de líquidos, ou o tipo de líquido a ser ingerido. Para as corridas em montanha vale aquilo que a ciência já julgou correto para os outros esportes de resistência. Água e isotônico para equilibrar os sais. Nas corridas mais longas é preciso atenção a isso, mas aí já é assunto para outro post.

MOCHILAS X POCHETES

Essa é uma questão muito particular. Depende da distância a ser corrida, da autonomia que você irá precisar. Para alguns, como minha mulher, a mochila é mais confortável para correr se comparada às pochetes de hidratação. Eu já experimentei de tudo: pochetes com uma garrafa de 500 ml, pochetes com reservatório flexível de 750 ml com mangueira acoplada (uma bosta na minha opinião), mochilas com capacidade de 2 a 3 litros de água, garrafinhas na mão, e por aí vai.

Muitos locais de treino não contam com acesso fácil a água, por serem isolados demais. Então se você sai para fazer um longo de três horas em trilha fica claro que apenas uma pochete não será suficiente, pois sua capacidade de transportar líquidos se resume a no máximo um litro.Porém correr curtas distâncias com uma mochila e dois litros de água dentro não é o caso (a não ser que você esteja treinando para algo mais longo futuramente).

POCHETES

As pochetes são a melhor opção para estirões mais curtos, de no máximo uma hora e meia de duração. Existem alguns modelos que são bem confortáveis, evitando que fiquem balançando demais a cada passada. recomendo o modelo Nordic Lite, da marca alemã Deuter.

A pochete Nordic Lite da Deuter pode ser posicionado na lateral do quadril para menor instabilidade. Vem com um bolso acoplado e o material do “recheio” do suporte da garrafinha conserva a bebida gelada por algum tempo. pesa muito pouco e atende bem àquilo que se propõe.

Outra pochete que já tive oportunidade de usar é a Hydro Combo da Kailash. Ele é bem estável, balança quase nada durante as passadas, devido seu design bem ergonomico. Fica posicionado na lateral do quadril. Do outro lado há um bolso, que você pode preencher com gel energético, celular e o que mais quiser carregar, dentro do limite do bom senso.

Cada um com suas vantagens e desvantagens.

MOCHILAS DE HIDRATAÇÃO

Neste caso há uma infinidade de modelos a disposição, de diversas marcas: Curtlo, Trilhas e Rumos, Conquista, Deuter, Kailash e muitas outras. O que já usei e me chamou muito a atenção pelo conforto que oferece é o modelo Hydro Lite 3 da Deuter. É minha escolha para as longas distâncias. Além de ter capacidade para levar 3 litros de líquido (raramente você precisará disso tudo mas é bom se garantir), ele tem um revestimento interno que mantém a temperatura do líquido. Pode ser quente ou frio que essa membrana ajudará na conservação da temperatura. Outros detalhes que considero relevantes neste modelo é o pequeno bolso para colocar algo mais além da água (como celular, dinheiro, gel, etc), um clip para sinalização noturna, fitas refletivas e ampla regulagem para melhor conforto. No meu caso em específico, eu praticamente esqueço que estou de mochila quando saio com um litro de água para correr por exemplo. Vale lembrar que a Deuter oferece também um modelo um pouco menor, com capacidade para dois litros de líquidos.

MOCHILAS DE CORRIDA

As provas mais longas geralmente exigem um numero maior de equipamentos obrigatórios, tais como alimentos, agasalhos, entre outras coisas. Para isso existem mochilas desenhadas especialmente para correr. Mas disso tratarei em outra oportunidade.

Espero ter esclarecido alguns pontos por aqui. Havendo alguma dúvida é só entrar em contato.

Um forte abraço e Good Trails!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl