Pular para o conteúdo principal

Sábias palavras de Adam Chase ou "Um pouco de nomenclaturas"

Eu sempre quis definir o que rola com os corredores de montanha.

E aproveito para logo no comecinho fazer um desvio do assunto original que eu tinha pensado para este post. Retomarei o raciocínio logo adiante.

============================================

Na verdade, acho até que a expressão corredores de montanha (aquele que pratica corridas de montanha) não representa exatamente o esporte que eu vivo e gosto. Isso se deve porque ao chegar ao Brasil, a tradução acabou vindo do espanhol carreras de montaña. Gosto mais do termo em inglês mesmo, trail running e trail runners. Em Portugal diz-se Corrida em Trilhos, se não me falha a memória, bem como o Cross-Country é chamado de "corta-mato". O que traduzindo para o nosso português do Brasil seria corrida em trilha e corredores de trilhas. O Cross-Country manteve-se com a denominação britância mesmo.

Penso ser mais correto o termo Corrida em Trilhas pois nem sempre estas estão em montanhas. A K42 Bombinhas que participei é um exemplo. Subimos morros sim, mas não era um ambiente de montanha (montanhista há mais de 10 anos, sei diferenciar montanhas de morros, seus ambientes e particularidades). Nesta competição enfrentamos trilhas em vegetação praiana, aquele matinho ralo; nos atiramos em trilhas de motoqueiros; "tentamos" correr na areia fofa; passamos por costões de pedras à beira-mar; enfim, uma variedade grande de terrenos. Tudo menos asfalto ou outro pavimento (menos de 4 Km foram percorridos nesses tipo de terreno). E o organizador utilizou o termo correto a meu ver, Trail Running, sem traduzir, como parte do anglicismo que domina os dias de hoje. Pronto.

==============================================

Tudo isso para introduzir o assunto: O que é ser um Trail Runner (corredor em trilhas?). Antes de eu conseguir pensar em uma definição li algo escrito a respeito por Adam Chase, atleta norte-americano de trail running. Ele é um dos colaboradores do site Salomon Running USA.

Reproduzo aqui suas palavras, no idioma dele:

Road runners tend to be into measurement. They are often aware of their pace, heart rate, time above, in and below their heart-rate zone, the distance they have run, and perhaps the elevation they have gained and lost, or calories they have burned. In contrast, trail runners are people who like adventure, variety, challenge and excitement. The essence of trail running is the ability to deal with constant change. No two steps are the same on the natural obstacle course of off-road terrain.

Em bom português seria algo mais ou menos assim:

Corredores de rua tendem a focarem-se em medirem-se. Eles geralmente estão cientes de seus paces, frequência cardíaca, tempo passado acima, dentro ou abaixo de sua zona-alvo, e talvez também o ganho ou perda altimétrica, bem como as calorias que queimaram. Em contraste, os trail runners são pessoas que gostam de aventura, de variedade, de desafio e excitação. A essência do trail running é a habilidade em lidar com as mudanças constantes. Não existe um passo igual ao outro em um trajeto marcado por obstáculos naturais de um percurso off-road.

Preciso acrescentar algo? Acho que apenas isso: Trail Running é liberdade.

Um abraço!

Comentários

  1. Pepe, ótima definição.
    Gostei muito do texto em inglês.
    No domingo, participei de uma corrida de 5K no Forte da Urca. Altimetria forte e realmente as variáveis são outras.
    Esquece pace, esquece frequencia media e curte.
    Vou postar hj a noite no blog.
    abs.

    ResponderExcluir
  2. Grande Pepe!
    É mais ou menos por aí. Embora eu não seja corredor de montanhas (até porque elas não existem na minha região, rsrsrs), traço esse paralelo em relação à Mountain Bike e as Bikes de estrada. Para mim, andar 80 Km numa estrada de terra, com seus altos e baixos, poeira, barro, cercado de eucaliptos, laranjeiras ou mata fechada ao som de pássaros não tem preço. São modalidades distintas, claro, mas fugir da loucura urbana para cair em outra (rodovia), não tem graça. Já fiz, claro, mas a natureza ainda é meu forte.
    Quanto as corridas, não tenho como fugir do asfalto, mas ainda hei de correr uma em trilha!
    Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.