Pular para o conteúdo principal

Brasília Run Day - Meia Maratona

Excelente. Assim posso defiinir minha participação na Meia Maratona de Brasília, evento que rolou junto com uma maratona (ainda não homologada pela CBAt, mas com distância verificada e correta) e uma prova menor, de 8,7 km.

As duas semanas que passei na capital federal foram muito proveitosas em termos esportivos. Treinei direitinho e isso fez a diferença na hora de avaliar como eu estava. Atribuo um certo desânimo que me tomou conta no final do primeiro semestre o fato de não estar competindo, escolhendo poucas provas e, desta forma, não avaliando a quantas andava minha preparação para as provas que eu julgava como principais. Já mudei isso para o segundo semestre, mas essa é outra história. Voltemos à meia-maratona de Brasília.

A largada foi bem cedo, às 7:30, meia hora depois da largada da maratona. A prova maior contava com duas voltas em um mesmo percurso de 21.092,5 metros. Sendo assim, na meia maratona tive a oportunidade de ultrapassar alguns retardatários da prova maior.

O percurso basicamente consistia de algumas descidas na primeira parte e subidas na segunda, sendo a maior parte do trajeto percorrida na L4, uma das avenidas de nome esquisito de Brasília, em um percurso quase em ida-e-volta. Achei muito agradável, com trânsito bem controlado e motoristas educados nos (poucos) cruzamentos. Alguns corredores mais acostumados às provas planas podem achar esse percurso um pouco duro mas, ainda assim, penso que o trajeto da Maratona de Curitiba é mais pesado. O que mais me preocupava era o clima seco e o sol que, apesar de ter dado as caras (como é de costume nessa época no planalto central), não elevou muito a temperatura.

A prova não estava muito cheia, sendo essa uma característica que aprecio muito. Assumidamente não gosto de provas muito pop, com milhares e milhares de corredores. Prefiro as mais underground, como foi o caso desta em Brasília.

A temperatura estava agradável fazendo um friozinho que não era intenso para um curitibano como eu, mas que incomodava um pouco devido ao vento forte.

A idéia era correr numa média de cinco minutos o quilômetro. Sendo assim garantiria minha melhor marca em todos os tempos, que até então, era no Meia do Rio, aquela porcaria cheia de gente que a Yescom (des)organiza em setembro (esse ano em agosto). É também conhecida como Meia da Globo, já que é transmitida ao vivo pela Vênus Platinada. Em 2009 fiz 1h54'58" por lá, três semanas depois de competir na K42 Bombinhas.

Em Brasília, esperava fechar em torno de 1h45'. Ledo engano... Motivação excessiva e, mesmo com medo de quebrar, eu soltei o freio de mão, correndo com o coração, para usar uma expressão piegas chupada de um livro do Dean Karnazes. Meti o cacete e enfiei 1h40'12". Nem eu acreditei nisso... um ritmo impressionante (para mim, é claro) de 4'45" por quilômetro, coisa que nunca tinha feito sequer em corridas de 10K, que faz mais de um ano que não corro.

No fim das contas, cheguei sobrando, com gás para mais, se fosse preciso. Nada... melhor curtir o momento, saborear a ótima organização da prova (água sempre gelada nos postos bem distribuídos, entrega de kit organizada, largada no horário, tudo muito simples e funcional, sem frescuras) e relembrar como tudo passou muito rápido.

No resultado final, abocanhei um 8º lugar entre os 40 atletas da minha categoria que completaram a prova. Pela primeira vez na vida obtive um bom resultado em uma prova de asfalto, o que me deixou muito confiante para os próximos passos.

E esses, eu conto ainda essa semana.

Bora treinar que, de volta a Curitiba, nada de moleza.




Comentários

  1. Boa George!
    Parabens pelo ótimo tempo!
    Alternar é muito bom!
    Bom saber que Brasilia organiza direito. Mais uma opção!
    Abraço
    Colucci
    @antoniocolucci

    ResponderExcluir
  2. Opa! Obrigado pelo comentario e pelas palavras! Brasilia valeu muito a pena mesmo, inda mais com preços bons de passagens aéreas :) Vc que tb curte as provas mais alternativas e, como eu, ja teve experiencias ruins com a Yescom, vale cogitar uma dessas em 2011.

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Cacete!!! Sobrou que foi uma beleza. Muito bom isso. Deixar o corpo ir na boa ...
    Agora, 2 voltas na maratona ..., deve ser punk, bom para o psicologico.
    abs

    ResponderExcluir
  4. Buenas Xampa. Valeu o comment

    Pois é... deve ser bem pedreira, pq o sol pega forte no final da prova e nao tem ninguem, absolutamente ninguem nas ruas pra dar aquela força q a gente sempre recebe no rio ou em Curitiba (onde corri maratonas). Como o numero de participantes é pequeno (não chega a 500) os corredores também correm beme spaçados. Ou seja, desafio prsicológico meeesmo.

    Abração!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.