Pular para o conteúdo principal

Os primeiros cinco quilômetros minimalisticamente falando


Buenas!

Muitos sabem como sempre fui cético com relação a certas "novidades". Quando começou a pipocar aqui no Brasil esse lance de correr descalço ou com calçados chamados minimalistas eu sempre me posicionei com os dois pés atrás. Nunca fui de crer em verdades absolutas e sempre valorizei a experiência de cada um nas determinadas situações. Participando da lista de discussão dos corredores de BH, alguns amigos como o Leonardo Liporati e o Roger Alcântara sempre se mostraram defensores entusiastas da corrida descalço e sempre manifestei meu ceticismo quanto a essa prática.

Isto, até ler o Nascido para Correr, do popstar da corrida descalça Chris McDougall. Este livro, de fato, mudou minha visão e decidi experimentar. E me encantei pelo ato em si de correr descalço e toda a simplicidade que isso representa, que inclusive pode e deve ser levada a outros aspectos de nossas vidas.

Finalmente botei na estrada, nesta ensolarada manhã de domingo, o meu calçado minimalista para corridas, o Okean Maré. Consegui meu exemplar como um presente de uma pessoa muito querida, que acredita nas "insanidades" deste que aqui escreve. Obrigado, Ju!

O Okean Maré é um calçado que inicialmente foi concebido para ser utilizado em atividades náuticas, como, por exemplo, o windsurf. Com a maior divulgação do minimalismo aplicado às corridas, algumas pessoas correndo totalmente descalço e a relativa popularidade do Vibram Five Fingers nos EUA e Europa, o Okean surgiu como opção econômica para, pelo menos, se iniciar na prática de correr respeitando nossas particularidades anatômicas. Porque, se bem analisarmos, os calçados, como são confeccionados hoje, cheios das placas e amortecimentos, estes são um estupro às nossas estruturas articulares e musculares, que através dos milênios sempre nos conduziram, inclusive correndo, sem essa tecnologia toda.

Mas não vim aqui para mostrar o que é certo ou o que é errado. Vim apenas relatar a minha primeira experiência. Se você quer saber mais, recomendo este ótimo artigo do amigo Rodrigo Stulzer, um dos incentivadores à experimentar o tal calçado, inclusive me emprestando o seu par que acabei utilizando para apenas algumas caminhadas.

Bem, o Okean Maré azul que tenho é feio pra burro! E dane-se também o visual, o que vale é a funcionalidade.

E funciona mesmo! De uns dois meses para cá tenho finalizado meus treinos calçados sempre com um ou dois quilômetros correndo totalmente descalço, segurando os tênis com as mãos... Isso proporciona a adaptação da musculatura à nova pisada exigida pela corrida descalço.

Então, após o treino de 20K ontem, hoje a idéia era apenas soltar um pouco com cinco quilômetros planos e testando o tal Okean.

Só posso dizer que a sensação de correr sem aquele peso todo dos tênis é incrível. Ainda acho que correr descalço no asfalto é mais agradável que correr com o Okean, mas este proporciona uma sensação de segurança contra os elementos, principalmente pedrinhas e possíveis cacos de vidro. Com o calçadinho pude, finalmente, correr olhando mais para a frente do que para onde eu pisava.

Enfim, continuarei no processo de aumentar a quilometragem, seja descalço, seja com o Okean. O único porém fica por conta realmente desse período necessário de adaptação, já que se faz necessário que a sola do pé se acostume e "engrosse" um pouco e, quando usando o Okean, o pé se acostume às novas áreas de atrito. Umas pequenas bolhas surgiram no final do treino, coisa que, tenho certeza, será solucionada com a prática corriqueira da corrida com o calçadinho. Notei também que o pé transpira bastante dentro dele e isso acho que somente um bom par de Vibram Five Fingers KSO com couro de canguru resolverá :)

Falando nisso, se alguém estiver de passagem pelos Estados Unidos e aceitar fazer um carreto desse modelo para mim, favor entrar em contato :)

Beijos e abraços!

Comentários

  1. Cara,

    Não me dei bem com esse Okean Maré. Ele me deu duas bolhas imensas que nunca tive treinando com o KSO por 8 meses. Também achei que esquenta muito. Dê uma olhada nesses aqui que recebi recentemente: http://migre.me/YL88
    Vou começar a testa-lo essa semana. Ah, comprei pela web e chegou em 20 dias.

    Abs

    Sergio

    ResponderExcluir
  2. Véio...num dá idéia não, hehehe. To me segurando pra nao me enfiar num VFF desses. A sensação que tive com o Okean é essa mesmo...bem, ate mesmo pq ele nao foi feito pra correr e sim pra velejar nao é? :)

    Obrigado pelo comentario e apareça!

    Abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl