Pular para o conteúdo principal

Maratona de Foz do Iguaçu 2010 - Considerações Finais

Buenas!

Acho que é sempre necessário um espaço de tempo antes de tomar certas decisões importantes para nossa vida... A verdade é que poucas vezes na vida senti tanta dor ao correr, como senti nessa Maratona de Foz do Iguaçu. Por diversas vezes, durante a prova, eu prometi a mim mesmo não submeter meu organismo a esse sacrifício. Gosto de curtir quando eu corro, e não ficar contando minutos e quilômetros, como fiz em diversos trechos desta corrida. Por este motivo, havia decidido, ao final da prova, não correr mais esse tipo de distância no asfalto, onde para mim tudo é mais enfadonho. Claro que o desafio é motivador e leva a gente adiante. Mas penso que talvez tenha chegado ao meu limite.

Não, esse post não é sobre parar de correr maratonas. Esse post é sobre correr mais e mais. Treinar mais e mais. Para que não haja dor, para que a experiência seja mais prazerosa. Obviamente prefiro as corridas em trilhas, mas o asfalto também tem a sua graça. É outro esporte. Sou um cara do mato, das montanhas. É nelas que gosto mais de estar, de me desafiar. E nelas que estarei mais presente após essa experiência em Foz do Iguaçu. Ver aquelas águas despencando, as mesmas águas que brotam do solo muito perto de onde vivo, no sopé da Serra do Mar, me fizeram pensar isso. Back to the mountains. Tudo (re)começará nos Andes, não propriamente na Ultramaratón que participarei no dia 16 de outubro, mas uma semana antes, em uma visita a um ponto lá no meio da Cordilheira. Voltar onde tudo terminou para mim em 2009, após uma experiência sobrenatural emocionalmente trágica e inquietante. Vou lá resolver essa parada e então voltarei às montanhas.

E isso, Foz do Iguaçu me trouxe. Essa é a principal consideração final: sofrer nas subidas e descidas de asfalto, no limiar da dor e do prazer, para depois ter como troféu as quedas do Iguaçu, me fez entender que essa relação me cai melhor junto à natureza.

Abaixo, algumas imagens da trip pelos Andes em 2009.

Beijos e abraços!



Refugio Federación (4.100 m)


Cerro El Plomo (+- 5.400m)


Cerro Aconcágua (6.962 m)


Punta de Vacas


Condores são comuns (por enquanto)


Após um dia com os pés molhados...


Aqui rolou a experiência sobrenatural...


O lugar mais lindo que já visitei neste planeta: Las Veguitas (3.200 m)



"Pero por que tienes tanta prisa?"

Comentários

  1. é brou, achar o caminho é importante.
    altas fotos !! que lugares !!!
    divirta-se.

    ResponderExcluir
  2. buenas volpao,cara que lugar sensacional,vale qualquer esforço para ser contemplado.otimo relato e fotos de Foz.
    abraçços e bom divertimento nas cordilheiras.

    ResponderExcluir
  3. Cada vez que eu vejo essas fotos penso "quequeéqueeu tô fazendo aqui no centro de São Paulo as 16:33 sentado nessa porra dessa cadeira??????".

    ResponderExcluir
  4. Buenas!

    Brigadão, Xampa! Valeu ae!

    Obrigado a vc também, Rogério, super abraço.

    Pensa muito não, Vagner...se não vc e eu endoideceremos, hehe. E no fim das contas, temos que trabalhar por aqui pra viver essas coisas bacanas que curtimos. Ainda bem que temos discernimento pra reservar alguns momentos da nossa vida para estar ao ar livre. Abração e obrigado pelo comment.

    ResponderExcluir
  5. ---------\\\\|/---------
    --------(@@)-------
    -o--oO--(_)--Ooo-
    Fala rei das montanhas arrasou nessas montanhas maravilhosas hein...showww...Olha nós não temos jeito corremos e sofremos e o nosso subconsciente sempre tá dizendo para nós assiim o que nós estamos fazendo ali sofrendo em uma longa distancia sofrendo, podendo estar em casa com nossos familiares e blá, blá, blá...Mais nós não desistimos e seguimos em frente essa endorfina correndo em nossas veias é que nos fazem continuar correndo...Parabéns pela Maratona de Foz.

    Bom fds e bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  6. Buenas!

    Obrigado pelo comentário Jorge! Vc sabe muito bem como é esse lance de correr longe e muito. Pagamos um preço por isso e pagamos com gosto :)

    Abração

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl