Pular para o conteúdo principal

No final era só o começo...

No calendário, o ano termina em 31 de dezembro. Para mim, meu ano acabou na Maratona de Curitiba, que foi o último suspiro da minha participação em maratonas de rua.

E, falando nisso, agradeço ao Léo Mesquita, de BH, que deixou um comentário que me comoveu sinceramente, pedindo para eu não abandonar esse tipo de prova. Respondo por aqui, amigo: Se eu voltar a sentir prazer nas longas distâncias em asfalto, correrei com certeza. Saí muito marcado das maratonas de Foz e de Curitiba. E como acho que correr longe tem a ver com prazer e correr rápido com dor, to na vibe de me divertir mais do que sofrer. Agradeço demais seu comentário e confesso que me fez pensar na minha escolha a ponto de dizer que tudo pode acontecer.

Mas, para mim, 2011 começa neste final de semana, quando pretendo bater perna em alguma montanha, de mochilinha e muito protetor solar.

E, segunda-feira iniciam os treinos visando a Ultramaratón de Los Andes 80K, objetivo maior do ano próximo. Antes dessa prova, vai rolar a K42 Bombinhas e um projeto-surpresa para o mês de abril ou maio, a ver. Algo já realizado por outras pessoas, nada de emocionante, apenas uma questão pessoal. A dica (péssima, é apenas do lugar, e não que fazer lá) está na foto.

Agradeço aqui também aos inúmeros comentários no blog. Se eu enumerar aqui o todos que deixam os comentários ou interagem via Facebook ou Twitter, o post fica muito longo e ainda corro risco de esquecer, injustamente, alguém.

Bora lá, tigrada, valeu!

Comentários

  1. George Volpão,
    Respeito muito sua decisão.
    Aliás, sempre fico muito atento ao que você pensa, porque te acho muito sensato dentro da lógica que você constrói. Não significa que imediatamente vou parar de correr Maratonas, até porque, elas são um bom treino para meus objetivos maiores, que são as Ultras, e ainda me dão prazer.
    De qualquer forma, a aventura também é uma coisa bem legal, e o que não falta por aqui em seus escritos são aventuas.
    São coisas a se considerar e agradeço por compartilhar conosco.
    Ah! Em tempo! É sempre legal ler de um cara como você, rodado (não me entenda mal o 'rodado'), que pouco importa o tempo de conclusão de uma Maratona. Quando li pela primeira vez isso, não sei se no blog ou no twitter, foi como um alento, pois não gosto de me matar nas corridas.
    Forte abraço e sucesso nas suas metas do próximo ano, sempre lembrando que o prazer está em primeiro lugar, e as metas podem ser alteradas...
    Abraços,
    Joel Leitão
    http://corredordisciplinado.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. \o/ eeeeeeeeee
    vc é como EU.. rsrsrs
    Energia pura!!
    Simbora treinar para o futuro...
    Parabéns...
    boas energias
    bons treinos
    www.marlipalugan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá George! É com uma mistura de satisfação, alegria e tristeza que leio este seu post sobre o fim das maratonas de ruas....
    Vamos do início: Eu morei durante 8 anos no norte da Califórnia, onde treinava todo fim de semana nas montanhas e trilhas da famosa corrida Western States 100 miles. Isso nos deixava aptos a correr Ultras nas trilhas e encarar as maratonas de ruas como se fossem passeios.
    Em Julho de 2008 voltei pro Brasil e um grande amigo meu que treinávamos juntos (Scott Dunlap)me indicou para acessar o seu BLOG e disse que vc era o "Brazilian Trail Runner" e que eu não estaria só...
    Venho acompanhando seu BLog e FaceBook e me sinto incentivado a treinar pra correr provas (apesar que essa vida burocrática brasileira não me deixou ainda achar estes tempos como rotinas) e até comprei produtos indicados por você.
    Treinos nas estradas de terras aqui em Paulínia -SP entre sítios, canaviais, industrias Petroquímicas e subidas. Mas trabalho em São paulo e saio cedo e volto a noite.. fazendo que meus finais de semana sejam intensos.
    Mas o que quero dizer aqui é que eu também prefiro Trilha a Asfalto, porém os teinos e Ultras nas trilhas nos deixam fortes pro Asfalto a ponto de acharmos que apenas fomos passear.
    Independente de sua descisão, estarei te seguindo aqui e quem sabe um dia consiguirei correr a K42 de Bombinhas com você.
    Abraços
    Marcos Siqueira

    ResponderExcluir
  4. Barbaridade. Quem tem amigos e "seguidores" (não em levem a mal a expressão) Não precisa de mais nada :)

    As palavras do Joel e do Marcos me fazem encarar com mais vontade ainda o que vem pela frente em 2011.

    Meu obrigado também à Marli, pena que não nos encontramos na Maratona.

    E à Juliana, ah, vc sabe né Xuliana? Com amor é tudo mais gostoso :)

    beijos e abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.