Pular para o conteúdo principal

I Training Camp Trail Labs - Inverno 2013 - Como Foi - Parte II




5:30 começa a profusão de despertadores... Os integrantes mais dispostos levantaram neste horário para uma saída de duas horas com aproximadamente 400 metros de desnível positivo. Em torno de 14 quilômetros, sendo 5 de trilhas técnicas. Fazia um frio de 6 graus e o céu ainda estava estrelado quando saímos. Nesta rodagem, éramos seis. Começou a clarear na subida da Serra da Faxina, trecho em estrada de terra com subida suave. Pouco adiante chegamos no vilarejo de São Luiz do Purunã, onde tomamos o rumo dos campos gerais. Ali o sol nos brindou com espetáculo de cores incríveis. Com pouco menos de uma hora e meia, chegamos ao mirante da Faxina, ponto alto do "passeio" com 1.150 metros de altitude e ampla visão. Breve relax e toca para baixo: 5 quilômetros de descida técnica com trilhas de todos os tipos. Pura diversão!

Assim que chegamos na sede da chácara, o restante do grupo se animava para um trote leve de seis quilômetros. Quem tinha feito a rodagem anterior aproveitou para tomar um bom café da manhã que preparamos e aguardar o retorno do grupo, para encarar novamente a subida da serra, desta vez por trilha. Liberdade de ação, essa foi a tônica. Assim, é possível cada um correr trechos dentro de suas condições físicas. Partimos então novamente para o Mirante da Faxina, desta vez com quem ainda não conhecia o trecho. Um total de 9 quilômetros 100% trilhas técnicas.

Retorno para almoço na Estância Águas da Serra e mais uns poucos slides e vídeos no meio da tarde, já em clima de "quero mais". Deixamos o local do camp pontualmente às 17 horas, levando conosco a certeza de termos dado o melhor do nosso conhecimento técnico e também de ter aprendido muito com as experiências compartilhadas por nossos amigos..


O Training Camp Trail Labs é assim e sempre será: troca de experiências, cada um contribuindo de sua forma, em um processo de aprendizado e compartilhamento de informações único. Porque, no fim das contas, somos todos encantados por montanha e por desafios.

Mais que uma clínica de trail running, o Training Camp é oportunidade de viver a corrida de montanha na sua essência: companheirismo, liberdade de ação, desafio e incentivo à autossuficiência.

Meu muito obrigado a todos aqueles que confiaram na proposta e no processo como um todo. Sem vocês, essa parada não teria sido possível.

Agradeço agradece especialmente à Território Mountain e à TRC Brasil pelo suporte oferecido, desde a concepção da ideia até sua execução.

E minha mais profunda admiração, carinho e respeito por quem lá esteve e conviveu comigo neste um dia e meio. Vocês fizeram a diferença e trouxeram os ingredientes necessários para o sucesso. Valeu!

Foto: Marcelo Santos

Foto: Fred Campos

Foto: Fred Campos



















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.