Pular para o conteúdo principal

Wake me up when September ends

Acorde-me quando setembro acabar. Wake me Up When September Ends. Vídeo aqui.

Mês do djanho...

Muito me aconteceu em setembro de 2014. Certamente foi o período da minha vida que melhor consegui extrair coisas boas das merdas que as pessoas e o mundo me destinaram.

O capitalismo (geralmente)  malvado, que vive de vender, consumir e produzir, me trouxe pessoas e propostas legais na convenção da The North Face aqui no Paraná. Observei que mesmo em uma marca de nome internacional muito forte o que importa mais é o ser humano. Que grana e resultados são consequência de um trabalho apaixonado e correto. Saí feliz de lá.

Que o mercado trail runner está tomando o rumo da putaria mais louca mesmo. Excesso de provas, de exibição e de super-valorização. É só mais uma forma de praticar esporte, pessoal. Não é a coisa mais importante do mundo. Correr em trilha é divertido e prazeroso mas pode ser ruim se você faz disso sua razão de viver, se busca a vitória (seja ela o que e como for) a qualquer preço, na rasteirada, no egoísmo e na presunção. Levar-se muito a sério é caminho certo para uma vida infeliz. 

Que no mutirão do Dia da Montanha Limpa no Morro do Anhangava, quem adora discursos de facebook sobre preços de inscrições de provas ou sobre posturas pessoais minhas a respeito do que é ser um verdadeiro trail runner (nunca pedi opinião, a propósito) sequer deu as caras. Esconder-se atrás do monitor é mais cômodo. Covardia realmente é um termo que lhes cai bem. Escrevo e penso assim: Acha legal correr em trilha? Vai cuidar delas também.

Que mesmo um dos meus sonhos ter durado somente 9 meses (ser pago para escrever para uma revista), serviu para me aprimorar e valorizar melhor empresas, marcas, pessoas e amigos. 

A redescoberta da depressão que estava quietinha comigo havia alguns anos e que voltou com força nestes dias trouxe também a cura: foco no que importa.

Neste setembro, toda a merda que eu recebi de algumas pessoas teve destino certo: adubo. Adubo orgânico humano.

Outubro começa com novas metas profissionais e pessoais. Entre elas escrever e filmar cada vez mais. E ainda mais, acima de tudo, ser George Volpão. Eu estava com saudade dele. 

Abaixo um vídeo deste sábado, no Morro do Anhangava, com a bela Ana Barbara, que me manteve vivo neste período.

Saludos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.