Pular para o conteúdo principal

Com licença, posso entrar?

Vamos lá, Tio Volpão, como diz minha amiga, Heloise Marlangeon: 

"No meu tempo"... a gente ouvia e tinha muito orgulho de aprender as coisas com quem estava há mais tempo no meio da montanha. De ouvir as histórias, de esbugalhar os olhos. Como assim esses caras sem GPS, sem mapas, sem toda a "ciência" de hoje? Mas como esses caras eram assim tão apaixonados por montanha a ponto de irem onde ninguém havia ido?

O que trago na minha bagagem hoje eu devo aos pioneiros que se embrenharam pelas montanhas do Paraná traçando trilhas que são úteis até hoje. Impossível mencionar todos os nomes desses cabras... Com eles aprendi os verdadeiros valores que a vida nas montanhas comportam. Convivendo com estes e com os "novatos" como eu na época, erramos algumas vezes, acertamos outras e seguimos o nosso caminho. O tempo passa, novas gerações passam a ser os novatos e muitas vezes nós passamos a ser os chatos. Os tios. Os donos da verdade absoluta dos montes. Ou o "Deus".

Os cães, não tenho dúvidas, são mais leais e honestos que os humanos. Na foto o Rex (in memoriam), que vivia na Fazenda Pico Paraná e respeitava mais a montanha do que boa parte dos visitantes dos dias atuais. Foto do autor / junho 2007.

E esse passar de tempo trouxe consigo uma nova maneira de enxergar as coisas. O leite com toddy criou pessoas que gostam de um pé na porta. De chegar arrombando. Metendo sem cuspe e sem camisinha. Bruto. Um punhado de posers caindo de paraquedas nas montanhas vindo de algum planeta cibernético achando que já sabem tudo com argumentos e atitudes dignas de um Hugo Chávez chinfrim, sem respeito algum pela tradição, história e trabalho realizados por gente que está nessa empreita por 20, 30 ou 50 anos. 

A comunidade de montanha precisa de união, não de imbróglios. Azia e mal estar só faz bem para o dono da farmácia e da fábrica de remédio.  Na montanha, como em tudo na vida, precisa-se de gente que queira sentar e conversar e não IMPOR suas verdades. Vamos sentar e conversar? Olho no olho?

Os covardes sempre existiram e sempre existirão. Em tempos modernos, eles atendem muitas vezes pelo nome de Troll. Podem ser também os infantis seres que criam fakes como já vi acontecer. Ou, muitas vezes, os covardes podem ser aqueles mesmos que lhe dão tapas nas costas e sorrisos amarelos mas que por trás - ah, seres humanos - destilam o veneno. Conheço pessoalmente um bom bocado destes tipos, dos quais tento manter conveniente distância, tamanha energia negativa que carregam consigo e suas vidas cheias de emoção.

Quando chegamos na casa de alguém, é de bom tom pedir licença. Mamãe e papai me ensinaram a ser assim, e quando inicio uma trilha, assim procedo: "com licença e muito obrigado por haver pessoas cuidando destes lugares, sinalizando, limpando, prevenindo desgastes, instalando grampos e cordas, enfim, zelando".

Montanha para todos. mas com respeito.

Abraços!







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.