Pular para o conteúdo principal

Morro do Anhangava em rodada dupla - Trail Running

Final de semana de montanha é sempre bem vindo.

Estava mesmo precisando, após alguns dias de trabalho intenso (novidades a caminho) e incertezas.

Na semana passada havia corrido em torno de uma hora no asfalto e meu joelho direito voltou a incomodar. talvez por ter corrido muito forte pros padrões atuais, 4:45 min/km para quem se liga em pace. Neste ano ainda não havia feito tanta força assim. Mas, com esses anos todos de corrida e com o LCA estourado, normal sentir um pouco de dores.

Então, vamos à montanha. O Morro do Anhangava, como muitos devem saber, está a pouco mais de 5 quilômetros daqui de casa. Com seus 1.420 metros de altitude, me permite, a cada subida, um ganho vertical de pelo menos 400 metros e belíssimos visuais. Para quem gosta de corrida de montanha de verdade, este é um ótimo local.

No sábado, céu azul e calor me receberam no alto da montanha. Tinha a intenção de dar duas "voltas", subindo a trilha frontal e descendo a noroeste (também chamada de Trilha da Asa Delta). Não foi um bom dia. Muito mais ofegante que o normal e com uma baita fraqueza em trechos normalmente fáceis para mim, me contentei apenas em subir e descer uma vez. Algo estranho aconteceu. Acredito que seja mesmo da tensão da semana anterior e suas incertezas...

Ficam as imagens legais e o vídeo abaixo (link aqui).




Não é apenas sobre corridas. É sobre ir à montanha e desfrutar também.

A clássica foto do pisante na montanha. Estou bastante satisfeito. Em tempo seco e trilhas técnicas, é disparado o melhor que já usei. Em breve um review por aqui.



Domingo a coisa mudou um pouco: calor mais forte ainda, beirando os trinta graus, mas o corpinho respondeu melhor, permitindo inclusive minha melhor marca no trecho Estacionamento Baitacão-Cume Anhangava, pouco mais de 28 minutos. Ali encontrei o Ricardo Beraldi, sua esposa Camile e a criançada. Fiquei imensamente feliz de ver meus amigos lá com seus filhos, desfrutando um lindo dia de sol e a a molecada curtindo, em vez de se pendurar em iPads e celulares. Vida de verdade! Aliás, tinha bastante criança por lá.

O Morro do Anhangava tem se transformado em ótima opção de lazer para todos: turistas, montanhistas, escaladores, corredores e outros. Em geral, a montanha está muito bem cuidada e limpa. Sempre ter os porcalhões, é claro. Mas pelo número de visitantes, que em dias de sol gira em torno de algumas centenas, achei as condições gerais muito boas.

Neste domingo, consegui repetir o treino de duas voltas por lá, subindo a Frontal e descendo a Noroeste, com cada uma das voltas tomando pouco menos de uma hora cada. Tudo isso com as pausas para fotos e vídeos, é claro ;)

Além de molhar a goela no rio também. Calor absurdo para um inverno paranaense: 30 graus na moleira e nenhuma nuvem no céu.

Para fechar, uma Cerveja local, a Anhangava Vevuí, que pode ser adquirida lá mesmo no estacionamento, bem geladinha.

Que venham as próximas!


Parceiros Camile e Ricardo Beraldi com os babies na montanha. Tesão piá!

O vento aliviava a sensação térmica. Calor da porra!

Gatorade? Pozinho de proteína? Tá brincando... Cerveja pós-treino, cara!!!!!


Abraços, boa semana!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl