Pular para o conteúdo principal

Correndo 21 Km em Trilhas

A clássica distância da meia maratona (21.097 metros) pode ser bastante divertida também quando se corre em terrenos rústicos. É uma prova que consegue ser longa o suficiente para proporcionar desafio mas não extenuante a ponto de detonar o atleta.

Buenas! Vou relatar brevemente aqui uma das duas provas de 21 km que já participei correndo nas montanhas paranaenses. A primeira delas foi no Município de Campo Magro, num gélido domingo, 29 de julho de 2007. Este município é conhecido por ter em seu território um acidente geográfico chamado Morro da Palha, com quase 1.200 metros de altitude. Só de saber disso já pude prever que coisa boa não viria...

A largada foi em um restaurante da região bem defronte ao morro. Além do grande desnível que enfrentaríamos, já que a largada estava por volta dos 800 metros de altitude, o frio seria um desafio a mais. Na hora da largada, as oito da manhã fazia 5 graus, com um lindo céu azul e vento. Largamos por uma estradinha de chão e começamos a alternar subidas e descidas fortíssimas, por estrada de chão, trilhas em meio a pastos, carreiros onde o pessoal anda de moto e plantações diversas.

Um trecho muito interessante foi por volta do km 11 onde tínhamos que caminhar por uns 300 metros dentro de um rio com água nas canelas. Água geladíssima como não poderia deixar de ser. Houve um outro trecho de rio a ser cruzado, desta vez com água nas coxas e apoio de uma corda para segurança. O sol que aparecia não era suficiente para nos esquentar e por volta do km 18 aparece um paredão todo gramado, sob umas torres de alta tensão. Em vários trechos precisamos usar as mão para o apoio, ou seja, tinha que subir de quatro, quase escalando mesmo.

Ao final das torres encontramos uma estradinha que subia até o cume do temido Morro da Palha, cujo cume atingimos no último km. Isso significava descer mais de 400 metros de altura em apenas 1 km. Um barranco para baixo, muito divertido e onde senti as mais fortes câimbras da minha vida. A única forma de descer era se apoiando com a bunda no chão.

Para mim esta corrida simbolizou a verdadeira corrida em montanha. Desafios a serem superados, ladeiras empinadas e intermináveis, rios para serem atravessados com os pés molhados e gelados. Uma prova sem frescura. Foram longas 3h30' de prova para mim, que me valeu o terceiro lugar na categoria 30-34 anos. O campeão geral fechou em 2h26'.

Prova duríssima onde o último colocado levou simplesmente 6h44' para finalizá-la. No ano seguinte a prova foi encurtada para 10 km, mas mantendo a subida ao Morro da Palha, retirando as travessias de rios.

Um grande abraço e go trail.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.