Pular para o conteúdo principal

De Volta às Boas Sensações - Meia Maratona da Linha Verde

Era algo que sempre tinha comigo, tornando-me muitas vezes um cara chato ao insistir nesse ponto: "Você só aproveitará as verdadeiras sensações que a corrida pode proporcionar a partir do momento que se envolver com as corridas de longa distância, acima dos 15 quilômetros". A todos eu repetia isso.

E ontem, domingo 26 de abril, aproximadamente 3.000 pessoas vivenciaram cada um suas sensações na II Meia Maratona da Linha Verde.

A largada foi distante 21 km do centro da cidade. Tomando o rumo sul pela menina dos olhos da administração estadual - a Linha Verde - a chegada foi realizada em ponto emblemático e central da capital mineira, a Praça da Estação. Entre estes dois pontos, quem correu encontrou subidas duras para quem não estava acostumado, calor forte para meus padrões sulistas e muita gente caminhando após as primeiras subidas, entregando o fato que muitos estavam em sua primeira prova na distância.

Pudemos encontrar também um público animado apoiando, embora boa parte dos gritos de incentivo envolvessem as expressões "galo" e "zêro", evidenciando o forte apelo que o futebol tem nas terras mineiras, mesmo em eventos de corrida de rua. Não sendo torcedor de nenhum dos times, curti apenas a energia do caloroso público, que ajudou muito nas horas mais duras.

Esses minutos que pareceram horas, em meu caso particular, foram entre os quilômetros 15 e 17, Onde a subida mais longa da prova, junto com o sol que castigava me obrigaram a reduzir o ritmo para um passo sonolento e sofrido, em uma espécie de mantra suplicante pela aproximação da linha de chegada.

Ao final desta subida inesquecível, um chuveirinho colocado pela organização e um último gole no gel energético foram responsáveis pelos minutos - que também pareceram horas - mais gratificantes da prova. Pude curtir aqueles derradeiros 4 quilômetros desfrutando de verdade, correndo entre túneis e viadutos, observando os carros parados nas vias transversais interditadas pela provas, com motoristas absolutamente inconscientes da felicidade que eu sentia pelo momento especial que esse final de prova significava para mim.

Os treinos impossibilitados desde o início do ano pela patologia nos rins, as incertezas quanto ao futuro neste esporte, a frustração de hoje correr em ritmo muito menor do que já tive oportunidade de correr... isso tudo foi destruído nos 21.097 metros desta prova que representou para mim uma superação que estava precisando muito para seguir em frente com o projeto que estabeleci para mim no mundo das corridas.

Correr uma meia maratona sem treino, como foi meu caso, é algo que não recomendo a ninguém. Faça o que digo, não faça o que faço. Paguei o preço do não treinamento com um tempo alto para meus padrões, com um pace de 6'08" o km. Pouco menos de 2 horas e 10 minutos de prova. Mas a minha necessidade de completar uma prova dessa era tão grande que o tempo não era coisa menor. Importava era o desafio de corrê-la do jeito que fosse. Porque a partir de hoje as coisas mudam. E em breve vocês irão saber como, onde e porquê.

Mais informações sobre a prova em breve no site da prova.

Um abraço!

Comentários

  1. É isso que nós precisamos provas mais longas e que de verdade nos façam sentir a adrenalina ao olharmos uma subida e termos que ir morro acima.
    abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl