Pular para o conteúdo principal

Corrida da Assufemg

Nunca imaginei que isso fosse acontecer. Retirei o último cálculo que restava no meu uréter direito no sábado e resolvi competir no dia seguinte. A recuperação pós-operatória foi impressionantemente rápida, muito mais que no procedimento idêntico realizado no mês passado. Saí numa boa do hospital no sábado, já sentindo que seria possível participar da prova no dia seguinte.


Domingo de sol em Belo Horizonte, parti com a Maria Vitória rumo ao campus da UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, local da realização da prova que teria o percurso totalmente dentro do campus. A expectativa era grande pois era anunciada uma grande variação de pisos e terrenos.

A largada foi pontualmente as 09 da manhã e em torno de 200 corredores (adoro provas com pouca gente) e já de cara enfrentamos subidas por calçamento de pedra e grama. Logo após um pouco de asfalto e enfim a mata da UFMG, onde corremos por carreiros estreitos e caminhos dignos das melhores corridas de montanha do Paraná. Claro que as subidas não eram tão íngremes como uma legítima corrida em montanha. Mas essa também não era a intenção do organizador que nomeava a prova como Corrida Rústica. Bem diferente da porcaria que foi o Trapalhada Run do Movimenta Minas, que se nomeava Trial Run e teve metade do seu percurso em asfalto.

Um ponto negativo que espero ser corrigido para as próximas edições é a má sinalização em alguns pontos, onde mesmo amadores que completaram a prova acima de uma hora como eu acabou sentindo as consequencias da falta de sinalização. Houve também falta de água em alguns postos e mesmo falta de senhas no trajeto. Seriam tres recebi apenas uma).

Por outro lado o percurso foi incrível. Uma corrida pra quem é durão e que torna 10 km das provas da moda na pampulha um passeiozinho sem graça e fedorento. Diversos tipos de piso como asfalto, pedras, terra, grama e um matagal muito divertido de cruzar.

Organização muito simples, com poucos recursos (o kit de chegada era uma medalha e um copo dágua e nada mais, nem uma fruta). Já corri provas pagando o mesmo valor e que tinha tudo de bom na organização, mas também ja corri provas recentemente que custavam o dobro e foram uma porcaria, com largadas atrasadas, confusão na entrega de chip antes da prova e percurso horroroso para o que se propunha e resultados finais mais confusos ainda.

No fim das contas uma corrida que fica na média, onde a dureza do percurso e os trechos agradáveis na mata fizeram valer a inscrição. Uma corrida sem frescuras e divertida. Sim houve problemas e acredito que sejam facilmente contornáveis para uma próxima edição. Espero voltar ano que vem. Com um pouco mais de dedicadção do organizador a prova ficará ainda melhor.

Que venha a II Meia Maratona da Linha Verde, a qual vou competir com a ridícula quilometragem de treino que acumulei nesta temporada (menos de 100 km rodados em 4 meses), devido a esses problemas todos de saúde que sofri. Será na raça!

Um abraço e ótima semana a todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.