Pular para o conteúdo principal

Corrida da Assufemg

Nunca imaginei que isso fosse acontecer. Retirei o último cálculo que restava no meu uréter direito no sábado e resolvi competir no dia seguinte. A recuperação pós-operatória foi impressionantemente rápida, muito mais que no procedimento idêntico realizado no mês passado. Saí numa boa do hospital no sábado, já sentindo que seria possível participar da prova no dia seguinte.


Domingo de sol em Belo Horizonte, parti com a Maria Vitória rumo ao campus da UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, local da realização da prova que teria o percurso totalmente dentro do campus. A expectativa era grande pois era anunciada uma grande variação de pisos e terrenos.

A largada foi pontualmente as 09 da manhã e em torno de 200 corredores (adoro provas com pouca gente) e já de cara enfrentamos subidas por calçamento de pedra e grama. Logo após um pouco de asfalto e enfim a mata da UFMG, onde corremos por carreiros estreitos e caminhos dignos das melhores corridas de montanha do Paraná. Claro que as subidas não eram tão íngremes como uma legítima corrida em montanha. Mas essa também não era a intenção do organizador que nomeava a prova como Corrida Rústica. Bem diferente da porcaria que foi o Trapalhada Run do Movimenta Minas, que se nomeava Trial Run e teve metade do seu percurso em asfalto.

Um ponto negativo que espero ser corrigido para as próximas edições é a má sinalização em alguns pontos, onde mesmo amadores que completaram a prova acima de uma hora como eu acabou sentindo as consequencias da falta de sinalização. Houve também falta de água em alguns postos e mesmo falta de senhas no trajeto. Seriam tres recebi apenas uma).

Por outro lado o percurso foi incrível. Uma corrida pra quem é durão e que torna 10 km das provas da moda na pampulha um passeiozinho sem graça e fedorento. Diversos tipos de piso como asfalto, pedras, terra, grama e um matagal muito divertido de cruzar.

Organização muito simples, com poucos recursos (o kit de chegada era uma medalha e um copo dágua e nada mais, nem uma fruta). Já corri provas pagando o mesmo valor e que tinha tudo de bom na organização, mas também ja corri provas recentemente que custavam o dobro e foram uma porcaria, com largadas atrasadas, confusão na entrega de chip antes da prova e percurso horroroso para o que se propunha e resultados finais mais confusos ainda.

No fim das contas uma corrida que fica na média, onde a dureza do percurso e os trechos agradáveis na mata fizeram valer a inscrição. Uma corrida sem frescuras e divertida. Sim houve problemas e acredito que sejam facilmente contornáveis para uma próxima edição. Espero voltar ano que vem. Com um pouco mais de dedicadção do organizador a prova ficará ainda melhor.

Que venha a II Meia Maratona da Linha Verde, a qual vou competir com a ridícula quilometragem de treino que acumulei nesta temporada (menos de 100 km rodados em 4 meses), devido a esses problemas todos de saúde que sofri. Será na raça!

Um abraço e ótima semana a todos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl