Pular para o conteúdo principal

Do porquê gradativamente me ausento da vida virtual-social

Sim, já havia anunciado uma data. Da mesma forma, já abordei um tema parecido com o que escrevo hoje:


Aqui também:


Um post assim até faz parecer que to querendo atenção. Vai que é isso né? De repente... Mas, na verdade está direcionado em rumo certo àqueles que me acompanham nessa trajetória. Por respeito e estima, ainda escrevo para os que me leem. É gratificante receber e-mails e comentários no blog de quem aprecia o que escrevo, então, nada melhor que ser justo com estas pessoas, aclarando o que passa na cabeça. Para estes, acho válido um "porque gradativamente me afasto da vida "virtual-social".

Um primeiro passo foi ter excluído a conta pessoal do facebook dois meses atrás, permanecendo apenas com a fan page por questões comerciais. O mesmo vale para o perfil de Instagram, que está lá, presente e ativo pelo mesmo motivo.

A questão é que decidi fazer uma "limpa" no meu rol de contatos e criar um novo perfil para me relacionar com as pessoas que efetivamente estão presentes e que conheço pessoalmente. Confesso que não gosto de ver tanta fotinho ou tanto comentário/postagem do tipo "fiz isso, fiz aquilo, fiz tal coisa", apesar de eu mesmo já ter me comportado assim por longos 10 anos de redes sociais. Tudo começou com o Orkut em 2004 e nada melhor que finalizar uma década de convívio em redes sociais de maneira correta.

O Facebook me consumia muito tempo e as pessoas ficavam magoadas se eu não clicava no botão "curtir" ou se simplesmente não "via as postagens" delas. Carência? Pode ser, não me cabe julgar. Não nego os valores positivos de ferramenta assim: conheci pessoas incríveis e inclusive o amor da minha vida com quem estou casado graças ao Facebook e seus grupos.

Hoje, me parece que virou um pandemônio de comentários (e comentaristas) vazios e postagens egocêntricas, sendo as mais infames aquelas que alguém simula estar meditando e pede para alguém fazer uma foto (vale para o instagram). Ou a pessoa medita e se concentra ou ela se preocupa com os likes que receberá, é o que acho. Mas, cada um faz o que quer e cada entende como quiser.

No exemplo abaixo fica claro o interesse daqueles que, como eu, se agarram ao feed de notícias e à contagem de likes:

Alcançou 605 pessoas, teve 2 likes.


Alcançou 370 pessoas e teve 20 likes.

O robô do Facebook entregou para mais "fãs" da página um assunto muito mais relevante, pelo menos para mim, do que uma bela flor da Serra do Mar. A análise dos números de visualizações e dos likes (quase inexistentes em um tema seríssimo como exploração de trabalhadores) só confirma: estamos em um mundo onde parecer é mais importante do que ser. Onde fotos de flores despertam mais simpatia a uma causa do que o churrasco consumido sem culpa no domingo (sou vegetariano).

Enfim, para muitos, é mais fácil fechar os olhos. Abri os meus e vejo que não faz mais sentido gerar ruído. Mesmo que seja um ruído de flores ao vento.

Sim, nessa postagem estou cuspindo e vomitando em um prato que comi. Mas é hora de provar outros sabores. As citadas relações comerciais se encerrarão no dia 31 de dezembro e, até lá, decidirei se ainda escreverei no blog - como faço desde 2006 aqui - ou se tudo acaba. A fan page certamente será desativada, bem como o instagram e até mesmo o whatsapp.

Nestes últimos meses de 2014 tenho vivido cada vez mais a vida lá fora e enxergado as coisas e as pessoas com uma cor mais viva. Antes, super conectado, ficava tudo meio embaçado, sabe?

Já são 5 anos que trabalho exclusivamente com internet, mídias sociais e marketing digital. É com estas atividades que pago minhas contas, que viajo sempre que posso, que vou pro mato nas minhas horas livres. Sempre recebi o justo pagamento pelo que dei de retorno e assim espero continuar. São excelentes ferramentas não de incentivo ao consumo, mas para proporcionar experiências e qualidade de vida às pessoas. Tenho orgulho de trabalhar desta maneira digital.

Mas as demais horas, dias e semanas da vida, amigos. Ah, é lá fora e desconectado.

Abraços e desconectando em 41 dias...

Comentários

  1. Estamos substituindo átomos por bits, chato e vazio isso. Pulei fora de Facebook, não fez falta nenhuma ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.