Pular para o conteúdo principal

6.000 metros de felicidade!

Nove dias no Cordón del Plata, indiscutivelmente a melhor região para se travar um primeiro contato com a alta montanha. Contato na prática mesmo. Dormindo mal, faltando ar a cada passada, a boca rachando com o sol, os 8 dias sem banho…

Foram 4 noites acampados em um local chamado Las Veguitas, a 3.200 metros, aclimatando. Na segunda feira, dia 26 de janeiro eu e a Ligia atingimos o cume do Cerro Franke, com 5.100 metros de altitude, após dura ascensão de 5 horas.

Após um dia de descanso em Las Veguitas, subimos para o acampamento El Salto para mais 3 noites. De lá atacamos na sexta-feira, dia 31 de janeiro, o Cerro El Plata, com 6.200 metros de altitude. Devido a problemas de saúde de um de nossos integrantes do time de cume deste dia, retornamos a apenas 50 metros do cume principal do Cerro El Plata, fazendo a volta para a segurança das menores altitudes, visto que o integrante estava passando muito mal (vômitos, dor de cabeça, amnésia parcial e enjôos).

No dia seguinte baixamos, passamos a noite no refúgio Ski & Montanha do simpaticíssimo Alejandro Geras. Gracias por sua hospitalidade.

Chegamos no domingo dia 01 de fevereiro em Mendoza. A idéia era partir dia 04 de fevereiro para a região do Monte Aconcágua. Chegamos a ir a Puente del Inca porém, além de os prognósticos meteorológicos não serem favoráveis para uma investida à mais alta montanha das Américas,a extrema comercialização de tudo que se refere à montanha nos enojou a ponto de tirar-nos a motivação.

Tudo deve ser pago. Puente del Inca parece um desfile de moda de roupas vistosas que encobrem os corpos de pessoas em sua maioria extremamente mal educadas e que acreditam que atingir o cume de uma montanha como essas significa um troféu. Troféus são para competidores, em competições. O que queríamos era apenas desfrutar de um ambiente de alta montanha. E pela muvuca (em torno de 2.000 pessoas no acampamento-base) tudo que não encontraríamos por lá seria tranquilidade.

Durante a viagem recebmos diversas mensagens de apoio e a essas pessoas deixamos até hoje nosso muito obrigado. E sempre é válido dizer que para esta viagem teve o patrocínio e apoio de Território Mountain Shop, Deuter, Princeton Tec, Botas Nômade e Trilhas e Rumos.










====================================================================

Comentários

  1. Pepe,
    muito legal o post.
    Estive em Mendoza, a passeio, em 2003. O lugar é muito lindo, pelo menos, da estrada, hehehehe.
    No nosso passeio, tivemos a oportunidade de visitar o Cristo Rei. Muito bonito e frio.
    Lendo o seu texto sobre as roupinhas da moda e coisa e tal. Pensei um pouco sobre o triathlon, que vive algo muito parecido. Outro dia, procurando uma bike, o cara me falou que tinha trocado a sua de ciclismo por uma contra-o-relogio(as mais caras) e perguntei se ele notou alguma diferença no resultado. Fiquei sem resposta. Conclusão: O cara gastou os tubos porque queria estar na moda.
    E, agora, parece que o triathlon está na moda. Não há mais vagas para o IM2010. Impressionante. Eu acho legal e coisa e tal, mas tem nego que faz para se por a prova ou para dizer que faz. Cada um na sua, mas essa não é a minha praia.
    Abs e valeu pelo texto.

    ResponderExcluir
  2. Opa!

    Brigado pelo comment Xampa! Passei junto ao Cristo no deslocamento para Santiago, bonito demais, de qualquer ângulo :-)

    Trabalhei por dois anos em uma loja de bikes pro em Curitiba, a Jamur Bikes. Convivi com essa galera onde apenas uns 10% (pra ser bacana) são de pessoas com conteúdo, gente boa e tal. Estrelismo mesmo. É aquela coisa: pega bem ser triatleta, as meninas acham isso e aquilo, os amigos tem inveja e aquela motivação babaca de sempre. Rola no triathlon, no ciclismo, no montanhismo e nos botecos da moda também.

    E o jeito é levar mesmo como vc faz: cada um na sua :-)

    Um abração!

    ResponderExcluir
  3. 50 metros só.....50 metros só!
    PQP! kkkkkkkkkkkkkkkkk

    A montanha não irá fugir...qualquer dia tú volta lá, e se eu estiver com tempo, te acompanho!

    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.