Pular para o conteúdo principal

Circuito das Estações Adidas - Etapa Inverno

Eu decidi "boicotar" as provas da Esfera Mídia BR - Iguana Sports após acompanhar a etapa inverno do Circuito das Estações Adidas - BH. Esse esquema de sete mil latinhas nos kits que depois vão pro lixão, corrida em clima de balada e multidões correndo apenas porque a camiseta é bonita não é minha praia. Em minha opinião empresas como essas deturpam o verdadeiro espírito da corrida, vendendo a idéia de que parecer um corredor é mais importante que ser um corredor. Prefiro as provas mais clássicas: Circuito Caixa, Correios, Divinópolis, By Japão, Cemig.

Sou um corredor mediano que corre porque ama a corrida. E diversão pra mim não é correr uma prova à noite na Pampulha, nem ganhar camiseta de marca no kit, nem correr 10 km entre 7.000 pessoas que estão mais preocupadas com a medalha, com a camiseta de marca ou em correr empurrando um carrinho de bebês. Se é para encarar multidões que seja na VIC - Volta Internacional da Pampulha ou uma São Silvestre. São provas que oferecem desafios reais, são divertidas, bem organizadas e são feitas para os corredores e não para alguma marca esportiva brilhar, como é o caso de provas como Fila Night Run, Eco Run (de "Eco" pouco tem dado o desperdicio de água fornecida em garrafinhas de 500 ml a cada 2,5 km), Circuito das Estações Adidas, Track and Field entre outras.

Boas provas não faltam. Fica apenas o alerta para os corredores de verdade analisarem se realmente camisetas são mais importantes que respeito ao meio-ambiente.

Um abraço!




Comentários

  1. Fala Pepe !!!
    Concordo com vc.
    Mas, demorei para me tocar disso.
    Corri uma Adidas esse ano e achei uma procissão e não uma corrida.
    Agora, vou me focar nas corridas que tenham distâncias interessantes ou que estejam em locais interessantes. Isso acontece pouco no Rio, aonde todas as provas são no Aterro.
    Nesse findi, correndo a largada com o Jorge e o Marcio Villar conversei com o pessoal sobre a minha primeira corrida, a Leblon Leme em 2008. A prova não aconteceu novamente pq os moradores do Leblon reclamaram do som alto. Com toda razão. Até hj não entendo pq os caras gritam antes da prova. Sinceramente, qtas pessoas ficam ouvindo o que é falado?
    Abs.

    ResponderExcluir
  2. O importante é isso aí? cada um fazer a sua parte. Corri uma dessas provas no ano passado e parei. Gosto das pequenas e, como disse, se for pra encarar multidoes que seja uma "clássica". É muito barulho mesmo e com ctza ninguem ouve o cara, hehe.

    Bração

    ResponderExcluir
  3. Oi George,
    Não vou concordar com você não. Acho muito importante ter provas assim. Além de divulgar a corrida, estimula as pessoas a correr e dá até um objetivo para outras.
    Lógico que tem problemas, lógico que tem gente que vai "brincar" ou "parecer", que tem problemas na estrutura e até ecológicos... mas tem muita gente que vai porque gosta de corrida, mas ainda não tem o teu nível, por exemplo, para enfrentar uma grande prova ou uma prova tradicional (eu ainda tô tentando um bom tempo em 5K rsrsrsrsrsr).
    Gosto de ganhar a medalhinha no final... (sei que ela é apenas simbólica) pra muita gente ela não é nada, pra mim ela diz "você não desistiu, você treinou, você está mesmo tentando baixar o seu tempo e ser uma corredora melhor".
    Quando eu tiver 20 medalhinhas, vai ser porque eu treinei pelo cinco semanas para cada uma delas...
    Ah! e se tem gente que vai pela camisa, fala sério, pelo preço da inscrição dá pra comprar uma, sem propagandas, e nem precisa correr hehehehe ai é burrice mesmo.
    É apenas minha opinião.
    Um abraço
    Regina

    ResponderExcluir
  4. Oi Regina!

    Obrigado pela visita e pelo comentário que acaba realmente levantando uma discussão válida e sadia, onde pontos de vista diferentes podem nos unir através de uma paixão maior: correr. Seja qualquer prova ou competição. O importante é as pessoas seguirem aquilo que acreditam e as fazem bem, como é o caso das medalhas (eu preferia uma camiseta de "finisher", rsrs), troféus, etc. E por incrivel que pareça tem muita gente que corre mesmo pela camiseta, e por isso citei o lance de parecer corredor ser mais importante do que ser corredor.

    E no fim das contas acho que não se trata de ter nível ou não, até mesmo porque adoro correr provas de 10 km, meu tempo nessa distância fica em torno dos 50 minutos, ou seja, nem um pouco excepcional. Trata-se apenas de um gosto pessoal por provas menos oba-oba, com menos gente correndo, como ja tive oportunidade de participar em cidades do interior mineiro, paranaense e mesmo em BH.

    Como tudo na vida, existem prós e contras nesses grandes eventos. E repito: tem corrida para todos os estilos e perfis. Meu post foi apenas uma opinião pessoal.

    Um abraço e continue aparecendo :-)

    ResponderExcluir
  5. ---------\\\\|/---------
    --------(@@)-------
    -o--oO--(_)--Ooo-
    Pepe, o problema é que essa corrida virou MODA, para vc ver em 2007 eu fiz essa prova completa e em 2008 fiz uma prova pq me foi oferecido uma inscrição e em 2009 na primeira etapa eu só fui dar um apoio ao pessoal e observei na largada que o último corredor passou pelo pórtico de largada com uns 20 minutos de prova já rolando e neste domingo que passou eu também só fiz a etapa inverno pq ganhei a inscrição também e quando fiz o retorno pelo outro lado do aterro (Rua), quando já estava passando pelo 5km ainda tinha correndor correndo...Ou seja esta corrida virou moda mesmo, caiu no gosto popular de muitos corredores e a Iguana Sports está se dando bem, pois essa corrida se tornou cara demais e outra coisa correr ela 4 vezes num ano enjoa e vc fica preso a ela, por exemplo o nosso calendário de corridas tá apertado e se vc se inscrever para a Adidas vc vai querer completar a Mandala e daí não poderá correr outra corrida caso caia no mesmo dia porque estará preso a ela.

    Valeu...

    Um abraço,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.