Pular para o conteúdo principal

O Corredor de Montanha

Segue abaixo mais uma tradução e adaptação de texto encontrado na net. Adam Chase não poderia tratar melhor sobre o assunto "ser corredor de montanhas". Por isso em vez de escrever algo particular tomei a licença de traduzir este texto e colocar uma linguagem mais facilmente compreensível. Boa leitura!

Tentar caracterizar um típico advogado das corridas de montanha e´como tentar cortar o cabelo de um bebê ou procurar vaga-lumes durante o dia: Você pode não conseguir muita cooperação e incomodá-los pode ser complicado.

Eles geralmente não são muito sociáveis e preferem correr em trilhas justamente para fugir das multidões. Com 6,2 milhões de indivíduos nos Estados Unidos (menos de 10.000 no Brasil) se identificando como trail runners (ou corredores de montanha) e com uma taxa de crescimento anual estimada em 38% (lá no Tio Sam), você pode estar se perguntando se a indústria e o mercado em geral não gostaria de saber exatamente como são esses figuras e o que eles buscam.

Um perfil simplificado poderia ser traçado basicamente como pessoas que gostam de correr em terrenos diversos das ruas e estradas. Mas mesmo essa definição pode ser imperfeita se considerarmos as diferentes interpretações que podemos dar a ela. temos no mundo também os corredores de aventura e os adeptos das corridas cross-country, que também são praticadas fora de estrada.

trail runners também podem ser classificados conforme o tipo de calçado que eles usam. Ao contrário dos tênis para corrida de rua, os específicos para trilhas contam com uma base mais larga, travas que realçam suas qualidades para lama, pedras, neve, gelo, grama entre outras superfícies. O cabedal mais reforçado evita uma entrada maior de detritos e as entressolas apresentam placas que protegem os pés de objetos pontiagudos.

Porém entender quem são os corredores de montanha vai além de analisar equipamentos. Assim como a distinção que existe entre "mountain bikers" e os "speedeiros" no que se refere ao uso esportivo de uma bicicleta, podemos perceber também o mesmo nas corridas. Uma distinção de atitudes que também é comum em v´parios outros esportes, como na canoagem (entre os de águas brancas e os de águas calmas) e escalada (esportiva ou tradicional).

A diferença entre os corredores de rua e os de montanhas também tem um componente psicológico. Uma diferença de atitude facilmente perceptível é a busca dos corredores de rua por mais distância e mais velocidade, enquanto os trail runners buscam algo mais intrínseco, ainda imensurável, algo como a experiência de cada corrida. A maioria dos corredores de rua tendem a estar sempre ligados em frequência cardíaca, distância, pace, zona-alvo, calorias queimadas... Já os trail runners podem até saber o dia da semana em que estão mas não se preocupam tanto com distância ou pace, até mesmo porque a maioria de suas corridas em trilhas são medidas por tempo e não por distância.

Os corredores de montanha se jogam nas trilhas como uma válvula de escape que os auxilia a recarregar suas baterias, tarbalhando seu lado espiritual e emocional enquanto comungam com a natureza realizando uma atividade física. os corredores de rua, como já diz o nome, necessitam de ruas (ou estradas) o que automaticamente sugere "civilização". Corredores de rua geralmente precisam "negociar" com o trânsito de carros, pessoas e bicicletas, negociação essas que nem sempre são muito agradáveis ou pacíficas. Essas interações estressantes definitivamente não são a maneira mais inteligente de lidar com descontração e relax.

Corredores de montanha são pessoas que gostam de aventura, variedade, desafio e emoção. A essência das corridas de montanha é a abilidade de negociar com as constantes mudanças. O passo seguinte jamais será igual o anterior em uma trilha. Mesmo que você corra em uma mesma trilha dia após dia, logo você irá entender que aquele lugar tem uma vida própria. Em um dia ela pode estar com o piso seco e duro, e no próximo estar úmida e escorregadia. existem também os efeitos das mudanças sazonais, bem como alterações causadas por mudanças de temperatura, erosão, tráfego e crescimento do mato. e claro, existem também as flores, os pássaros, as árvores, insetos, esquilos e até mesmo mamíferos maiores. Rola uma constante mudança que traduz verdadeiramente o espírito das corridas de montanha.

alguns dos melhores corredores de montanha no exterior tem um backgraouns adquiro no ski, em outros esportes alpinos e mesmo no mountain bike. Como mestres do xadrez, esses caras conseguem ter seus pensamentos focados em onde irão colocar seus pés tres ou quatro passos adiante de onde estão, pré-visualizando o melhor caminho a ser seguido. Esse pensamento rápido traz vantagens como uma espécie de "treinamento cerebral" proporcionando maior tempo de reação. Isso também os acaba diferenciando dos corredores de rua, onde muitas vezes parece se estar correndo em uma esteira, pois se pode fechar os olhos por alguns segundos e nada de diferente irá ocorrer. Não recomendo experimentar fazer isso correndo em uma trilha...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.