Pular para o conteúdo principal

Ultra Trail du Mont Blanc 2010

Esse post é para quem acha que correr 42K no asfalto é duro demais. Pode ser duro, mas apenas o piso. Dureza mesmo é completar os 166 Km da Ultra Trail du Mont Blanc no tempo limite de 30 horas. Esta é provavelmente a mais emblemática de todas as corridas de montanha do planeta.

Todos os anos são oferecidas 5.000 vagas que se esgotam rapidamente, mesmo havendo necessidade de ter per participado de provas pré-classificatórias. Sim, não pense que você poderá encarar essa sem antes se qualificar. Para nós brasileiros, o melhor caminho é participar da única "seletiva" nacional o Desafio Praias e Trilhas que rola todo mês de outubro em Florianópolis. Na prova nacional são duas maratonas em dois dias, perfazendo 84 Km de praias, trilhas, dunas e carreiros de terra.




Mas completar esse desafio ainda não lhe dá direito de correr os 166 km da prova principal. A prova brasileira qualifica para a CCC (Courmayeur-Champex-Chamonix) que percorre "apenas" os últimos 98 quilômetros do trajeto total da UTMB, sigla pela qual a prova é mais conhecida. A CCC rola no mesmo período da prova de 166 Km e os corredores correm misturados por vezes. Completando a CCC em menos de 25 horas aí sim você terá o direito de no ano seguinte participar da UTMB e suas mais de 100 milhas e 9.400 metros de desnível acumulado (maior que a altitude do Monte Everest). Nesta prova de 166 km são mais de 2.000 atletas.



A largada da prova principal é na charmosa cidade francesa de Chamonix.




Os corredores contam com postos de apoio a cada 10 ou 15 Km. Em dois pontos também é possível deixar materiais de apoio, como roupas, calçados e comida. É obrigatório correr com alguns equipamentos como lanternas (inclusive uma extra e pilhas), jaquetas corta-vento, jaqueta em fleece, manta aluminizada, apito de segurança entre outros.




Um dos pontos de apoio no alto das montanhas.


Em 2008 o vencedor foi o espanhol Kilian Jornet, em incríveis 20 horas e 58 minutos, perfazendo o recorde da competição que até então pertencia ao italiano bicampeão Marco Olmo. Detalhe: Olmo venceu a prova pela segunda vez em 2007 quando contava com 59 anos!!! Isso demonstra que nas ultramaratonas o passar dos anos só faz melhorar a performance.

As fotos que ilustram este site foram recolhidas de diversas fontes principalmente do Wikipedia, onde mais informações podem ser obtidas, bem como no site oficial do evento, cuja edição 2009 se iniciará nesta sexta-feira.


Quem quiser curtir um uma visão 3D do percurso pode conferir o vídeo abaixo ou para quem recebe as novidades via email pode assitir clicando aqui. Abraços e bons treinos!



Comentários

  1. Ta bom! Ta bom!
    Você me convenceu.
    Vamos para lá ...

    ;-)

    ResponderExcluir
  2. Concordo com o Bellon, voce me convenceu tambem...Vamos nessa!
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Sendo assim, não posso deixar meu amigo Bellon ir sozinho, tô dentro...já tô inscrita na Praias e Trilhas, vamo, que vamo

    ResponderExcluir
  4. prova fabulosa, algo tentador. Mas a análise concreta da realidade concreta obriga-me a saber que estou muito distante de pensar numa prova dessas..mas confesso: água na boca é pouco!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl