Pular para o conteúdo principal

Notícias pós-prova da UTMB - Ultra Trail du Mont Blanc 2009

Salve corredores e entusiastas!
Com as primeiras colocações já definidas é hora das considerações a respeito do desempenho dos brasileiros nesta incrível competição.
Na prova principal de 166Km, aquela que dá uma volta completa no maciço do Mont Blanc, Cristina de Carvalho faturou a sétima posição na geral feminino e foi campeã de sua faixa etária Fem. 40-49. Ela fechou com o tempo de 33 horas e 23 minutos, mesmo tendo problemas no final da prova quando errou uma bifurcação que lhe custou duas horas até voltar ao ponto correto e continuar na prova. E o pior de tudo foi que esse erro lhe custou uma descida (e consequente subida para voltar) de 1.000 metros de desnível.
O segundo melhor brasileiro foi Tani Oreggia, que fechou em 37 horas e 11 minutos. Os outros brasileiros que completaram a prova foram Vera Gillaux (39h35min) e Caco Alzugaray (40h23min).
Em outra prova do evento, a igualmente dura Sur les Traces des Ducs du Savoie, que contou com 106 Km de trilhas percorridas entre Courmayeur na Itália e Chamonix na França, tivemos Brasil no alto do pódio. Fernada Maciel faturou na geral feminino com o tempo de 17 horas e 17 minutos. Um resultado fantástico dada a dificuldade da prova e ao alto nível dos atletas participantes. Vale lembrar que metade dos que largaram nesta prova não chegaram ao final, tamanha a dureza do percurso.
Outros brasileiros tabém completaram bem essa prova, são eles: Gustavo Albuquerque, Mateus Gil e João Bellini Jr, ambos com o mesmo tempo de 22h01min; Sabrina Gobbo e André Iervolino também chegaram juntos, com o tempo de 23h29min.
E aí? quem quer encarar essa? Abraços!


A chegada do espanhol Kilian Jornet, bicampeão da prova de 166 Km da The North Face Ultra Trail du Mont Blanc.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.