Pular para o conteúdo principal

Turismo – Córdoba

Buenas!
Em mais um relato das cidades que tive o privilégio de conhecer em minha curta existência vou tratar de Córdoba, localizada bem no centro da Argentina. Córdoba possui uma população em torno dos 1.300.000 habitantes, sendo a segunda mais populosa do país platino. Cidade histórica, uma das mais antigas do país, possui uma longa e preservada história. Nela está localizada a mais antiga universidade do país, a Universidad Nacional de Córdoba, fundada em 1613 pelos jesuítas, responsáveis pela grande quantidade de igrejas que encontramos na cidade.





Córdoba é muito conhecida por ser uma cidade que congrega muitos estudantes vindos de outras cidades do interior da Argentina, o que a torna bastante jovem e alegre, com uma vida noturna bastante agitada. Aproximadamente dez por cento de sua população total está matriculada nas diversas faculdades e universidades que a cidade conta.
Estive na cidade pela primeira vez neste ano, nos meses de janeiro e fevereiro. Foi a primeira parada da viagem de 35 dias que empreendi com minha mulher. Desta feita, Córdoba foi apenas um ponto de descanso da longa viagem entre Belo Horizonte e Mendoza. Permanecemos apenas um dia na cidade. Já no retorno estivemos por quatro dias na cidade. Infelizmente eu já sofria das frequentes cólicas renais que me impediram de explorar mais a cidade.

Como Chegar desde o Brasil:

Chegar a Córdoba desde o Brasil depende do meio de transporte escolhido.
De Carro (Eca): Não me interesso muito por quem viaja de carro, não pretendo viajar espremido por uma tonelada de aço e plástico e não portanto não disponho de informações para quem quer ir a Córdoba de carro.
De Avião: A Gol Linhas Aéreas opera um vôo diário desde Porto Alegre rumo a Córdoba. É a opção mais econômica. Escolha sua cidade de origem, faça a conexão em Porto Alegre e em poucas horas e por um preço razoável você desembarca na Argentina. Existem outras opções, como pela Aerolíneas Argentinas, mas aí você tem que ir a Buenos Aires.
De Ônibus: Se você curte sacolejar por quase dois dias dentro de um ônibus ou está duro mesmo, é uma boa opção. Recomendo as empresas argentinas, que oferecem um serviço bem melhor que Penha, que seria a opção a partir do Brasil. Recomendo a Flecha Bus, que parte desde Balneário Camboriú, Santa Catarina.
De Bicicleta: Ótima idéia para quem tem tempo e disposição. Na Argentina em geral os motoristas respeitam mais os ciclistas que no Brasil. No entanto, a recomendação é a mesma: evite as rodovias principais, preferindo as menos movimentadas.

O Que Curtir:

Os arredores da cidade contam com muitas opções para quem curte a vida ao ar livre, com montanhas, canyons, pradarias e pitorescas cidadezinhas.



Córdoba conta com muitos passeios, na Argentina chamados de “Peatonal”, calçadões dedicados a andar a pé mesmo, esquecendo os carros. Muitos desses peatonais possuam coberturas de plantas trepadeiras, onde se encontra uma boa proteção para o forte sol que torra a cidade nos meses de verão. Muitos trechos lembram um shopping (lá chamados de Mall) ao ar livre, com seu comércio atuante e o povo se divertindo, comendo e bebendo nas mesinhas postas ao ar livre.
A comida é um caso a parte. Os argentinos amam carne e será difícil encontrar um prato que não as inclua. Papas (batatas) fritas também são muito presentes. O vinho é muito barato se comprado nos supermercados. Já nos bares recomendo mesmo a boa cerveja Quilmes, apesar de serem encontradas muitas outras opções, inclusive a marca brasileira Brahma, porém por lá fabricada.

Onde Ficar:

Para hospedagem nas nossas duas passagens por lá escolhemos o Le Grand Hostel. Preço acessível, bom atendimento e localização excelente, em Nueva Cordoba, região central. Mapas da cidade podem ser obtidos no próprio hostel. É claro que existem muitas outras opções, porém esta me foi recomendada por um amigo que já esteve outras vezes na cidade e teve experiências desagradáveis em outros estabelecimentos. Para que trocar o certo pelo duvidoso?

Outras Dicas:

Para entrar na Argentina basta o R.G. Não precisa de passaporte. Cuide bem dos seus papéis de entrada!
Compre pesos em casas de câmbio em sua origem. Não compre dólares. Você perde grana nessa troca de reais por dólares e de dólares por pesos. E é sempre bom chegar com algum dinheiro do país no destino não é? Assim evita-se as malvadas taxas de câmbio que são cobradas pelas agências localizadas em aeroportos.
Se você for de avião com a Gol, provavelmente chegará em alta madrugada. A melhor opção é o táxi. Mas pergunte antes “cuanto cuesta”. Quando lá chegamos não perguntamos e dias depois fomos perceber que o taxista nos deu o balão. Cobrou 45 pesos. Para voltarmos ao aeroporto um mes depois custou 25 pesos. Ou seja, o cara deu um monte de volta pela cidade. O valor até o centro da cidade deve ficar em 25 ou 30 pesos, algo como 10 dólares.
Ao retornar para o Brasil, em qualquer aeroporto argentino você tem que pagar obrigatoriamente a taxa de imigração que é em torno de 60 pesos (18 dólares). Garanta esse dinheiro consigo.
Prefira sempre comprar comida nos mercados e cozinhar no hostel. A economia é grande!
Entre em contato para efetuar suas reservas com antecedência. Para casais a melhor opção é o Matrimonial, que sai a 100 pesos por dia. Se vai sozinho pode ficar mesmo nos Colectivos, 35 pesos. Preços de fevereiro de 2009.
Rango recomendado: Medallon com papas, Panchos (cachorro-quente), sandwichs de jamon y queso (não sabe o que significa? melhor estudar um pouquinho de espanhol) e muitos outros. Tem que arriscar. Tem gente que viaja para outros países e só come coisas que existem por aqui, como Junk Food. Experimente!
Sorvete excelente: Um cucurucho doble nos peatonais de Córdoba. Vários sabores por 4 pesos.
Livros são muito baratos na Argentina. No centro de Córdoba existem muitas (muitas mesmo) livrarias.
Faça amizades! Em Córdoba você encontra gente do mundo inteiro. Coexista!

Sites Interessantes:

- Básico sobre a cidade.
- Cidadezinha da região bem interessante.
- Conheça a mais alta montanha da região.
- Motivos óbvios.

Comentários

  1. Com certeza se um dia eu for para essa cidade, antes vou passar aqui para pegar dicas do Mister PEPE...Showww amigo Parabéns pelo brilhante relato, já pensou em fazer faculdade de Jornalismo...
    Bons treinos e é Nós na Meia do Rio.

    Um abraço,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Odeio Córdoba e odeio mortalmente os cordobeses... é uma gentinha ordinária, da pior classe!

    Tô vacalhando com seu post, me desculpa, mas é que eu não pude me conter (foi só um desabafo, questões pessoais).

    Sendo assim, que prevaleçam então as coisas legais que vc relatou no post! =D

    Bjus e inté!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq