Pular para o conteúdo principal

5ª VIC - Volta Internacional da Contorno - Ronaldo da Costa

Em um gelado (nem tanto) domingo de sol foi realizada mais uma VIC - Volta Internacional da Contorno. À parte a ousada e irônica denominação de prova internacional, a VIC se consolida como uma das mais divertidas e inusitadas oportunidades de correr em Belo Horizonte. Estive presente para fazer a cobertura fotográfica do evento, por hobby, por diversão e para rever os bons amigos que já fiz na cidade.

Tudo começou no final do ano passado, quando algumas pessoas da comunidade do orkut dos corredores de rua de Belo Horizonte resolveu se juntar para percorrer um trajeto dos mais emblemáticos da capital mineira: a Avenida do Contorno.

Belo Horizonte teve seu planejamento urbano datado do final do século passado, inicalmente para abrigar uma população estimada de 100.000 habitantes após um século de sua fundação, que ficariam concetrados na área delimitada pela projetada Avenida do Contorno. Na época da fundação de Belo Horizonte, em 1897, a cidade contava com 25.000 habitantes. porém já em 1930 a cidade contava com 130.000 almas e nos dias atuais tem em torno de dois milhoes e meio de habitantes, sem considerar os munícipios vizinhos de sua região metropolitana, que elevaria o número total de pessoas interagindo na região para algo próximo dos cinco milhões. Parece que algo deu errado no planejamento. Porém a Avenida do Contorno continuou com seu charme antigo, ao revelar algumas poucas construções preservadas do início do século passado. Outra característica desta via pública é a sucessão de subidas e descidas.

Percorrer seus poucos mais de 12 quilômetros torna-se um belo desafio para as manhãs de domingo em que esta prova-treino é realizada. Não há premiação, nem contagem oficial de tempo. Apenas amigos dispostos a correr e organizar um pouco as coisas, o que permite oferecer a quem participa pequenos confortos como dois postos de hidratação, mesa de frutas e isotônico ao final do percurso, acompanhamento de carros-guia e camiseta do evento.

Nesta quinta edição tivemos o privilégio da companhia do nosso eterno recordista mundial de maratona, o Ronaldo da Costa, que entre outras marcas expressivas deteve também títulos de corridas como São Silvestre, recordes de Troféu Brasil. Vale lembrar que Ronaldo obteve a marca de 2:06:05 na Maratona de Berlin em 1998 e até hoje é a melhor marca de um atleta não nascido na África. Hoje Ronaldo desenvolve um excelente trabalho junto à comunidade de Betim (cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte) e participa de corridas com o intuito de se divertir e motivar amadores como nós, bem como descobrir jovens talentos.

Como "bônus" Ronaldo ainda recebeu um bolo para comemorarmos seu aniversário que era exatamente neste 07 de junho, bolo este preparado pela Cátia, sempre atenta a esses detalhes.

Em um mundo muitas vezes recheados de pretensas estrelas (digo isso pelo meu histórico do montanhismo), ter hoje como amigo e companheiro de atividades uma pessoa que já foi simplesmente o mais veloz corredor da prova mais clássica do atletismo é realmente uma honra. De uma simplicidade assombrosa, Ronaldo é muito querido pela comunidade local, sempre acessível e atencioso.

Eu já conhecia sua história pelo mundo das revistas de corrida e ao ter oportunidade de conviver mais de perto nas provas (já havia tido a oportunidade de conversar com ele em três outras recentes provas em BH), realmente posso dizer que se trata de um verdadeiro exemplo de luta, de garra e, principalmente, de humildade, tão em falta em nossos tempos.

Parabéns ao Ronaldo, pelo seu aniversário e pela disposição. Parabéns a todos que acordaram cedo para prestigiar este evento, seja correndo, seja na equipe de apoio.

As fotos podem ser visualizadas em um álbum do Picasa: www.picasaweb.google.com.br/corridasbh.

Um grande abraço.


Ronaldo da Costa e as inúmeras fotos que teve que tirar, hehe.



A galera reunida antes da largada.


Um trechinho plano após despencar um barranco.



Pelotão reunido.


Arnoldo mandando ver com pés descalços pelas ruas de Belo Horizonte.

Comentários

  1. Belo relato, Pepe.
    E mais uma vez parabéns pelas fotos e pela iniciativa.

    Um abraço,
    Marcelinho

    ResponderExcluir
  2. Pepe mais uma vez deu um show de fotos e disposição! Esse é o blog que mais desperta a minha curiosidade de visitar, pois sei que sempre tem um bom conteúdo!
    Abraços!

    Maria Vitória

    ResponderExcluir
  3. Se aquela bruuuuxa da Cátia tivesse me avisado que ia rolar um bolinho, eu tinha ido lá pra correr a VIC, droga, viu... =(

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.