Pular para o conteúdo principal

Turismo – Santiago do Chile

Santiago é encantadora. Santiago é fantástica. Santiago é demais para minha cabecinha terceiro-mundista… Santiago é a realização dos meus sonhos de uma metrópole em que é possível viver.
Tá bom, você pode achar que estou exagerando. Mas na minha humilde impressão eu não estou não. Venho de uma criação em uma cidade dita de primeiro mundo, Curitiba, capital paranaense. Realmente, se comparada a outras capitais do Brasil (conheço algumas) ela tem uma qualidade de vida bem aceitável. Hoje vivo em Belo Horizonte, o Faroeste Caboclo em forma de metrópole de uns seis milhões de indivíduos. Santiago do Chile tem aproximadamente a mesma população. Porém Santiago não oprime, não assusta e não prejudica quem quer viver nela.





Santiago tem inúmeros problemas também, entre eles o crescente aumento da violência (mas pelos jornais que li enquanto lá estive eu vi que se você fizer cagada o bicho pega mesmo), o trânsito complicado e a poluição quase insuportável, a ponto de ser difícil distinguir a Cordilheira dos Andes, a meros 40 km da cidade.
Mas as virtudes compensam e muito esses problemas. O povo é simpático (adoram brasileiros), existem muitas áreas verdes a disposição (o que é curioso em uma cidade onde chove menos que no nordeste do Brasil), o transporte público funciona (metrô de qualidade a 400 pesos, em torno de 1 real) e inúmeras atrações, tanto naturais quanto culturais.

Como Chegar desde o Brasil:

De Carro: Do mesmo jeito que se chega a Córdoba, artigo já publicado.
De Avião: Pode ser de Gol ou de LAN, empresas de qualidade que he deixarão no Aeroporto de Pudahuel, de onde é fácil e barato tomar um táxi até o local que você escolheu para se hospedar.
De Ônibus: Coráááágiiii: Pelo menos dois dias de viagem desde São Paulo. Prefira sempre empresas estrangeiras como a ChileBus ou a MercoBus. esqueça a Pluma, serviço horrível e ônibus antigos. Existem algumas outras que atendem o Brasil também, nada que o google não ajude.

O Que Curtir:

Muita coisa. Para ficar no básico tem o Cerro San Cristóbal e seus teleféricos e funicular, a Plaza de las Armas, o Cerro Santa Lucía, o Paseo Ahumada, o Mercado Central, o Parque Metropolitano, a culinária, e muito mais. Esteja munido de um guia de viagens (recomendo o Rough Guide, publicado no Brasil pela Publifolha) e mande ver! Quatro dias bastam. Mais que isso guarde para visitar as redondezas como San José de Maipo e Valparaíso.
San José de Maipo: Pitoresca cidadezinha a quarenta e tantos quilômetros de Santiago. Está encravada no Cajón del Maipo, lugar de intensa atividade turística para os que amam a natureza. Se a idéia é se enfiar na cordilheira recomendo que tomem um “micro” na Estação Florida, região sul de Santiago, com destino a Baños Morales e façam o trekking pelo Parque El Morado. É apenas um horário por dia deste microônibus. Nesta temporada passada (2009) ele partia as 8:30 da manhã e retornava as 17:00.
Valparaíso: PQP, não deixe ir. Ir a Santiago e não descer até Valparaíso é como o chavão ir a Roma e não ver o Papa… Cidade linda, toda colorida, com um jeitão de interior e uma bagunça organizada que quebra um pouco o clima por vezes sisudo de Santiago. Não deixe de andar nos funiculares e de fazer um passeio de barco pela Baía de Valparaíso, de onde se pode comtemplar a cidade e observar lobos marinhos.




Onde Ficar:

Nesta minha viagem eu fiquei com a Lígia no Ecohostel, de excelente localização e atendimento, nas pessoas queridas do Marcelo, do Enzo e do Oscar. Claro que tem várias opções por lá, mas essa nós acertamos de primeira.

Outras Dicas:

Para entrar no Chile basta o R.G. Não precisa de passaporte. Cuide bem dos seus papéis de entrada! Não esqueça que não rola entrar com frutas, vegetais e carnes, nem de avião nem via terrestre.
Tente comprar pesos em casas de câmbio em sua origem. É um pouco difícil encontrar mas vale tentar. se você vier pela Argentina fica mais fácil. Compre pesos chilenos antes de entrar no Chile.
Ônibus rodoviários no Chile são muito mais baratos que aqui. Viaje sempre que houver uma grana ou tempo disponível. Melhor que ficar mofando no hostel.
Prefira sempre comprar comida nos mercados e cozinhar no hostel. A economia é grande!
Duas cervejas dominam os menus: Crystal, bem leve e saborosa e a Escudo, que é uma cacetada na cabeça. O porre é certo. Prefira tomar de litro para economizar, hehe.
Entre em contato para efetuar suas reservas com antecedência.
Vinho é ótimo e barato. Lá Concha Y Toro é igual Campo Largo aqui, pelo menos na facilidade de acesso e no preço. Já a qualidade… Pegue leve e divirta-se!
Sorvete excelente: Um cono triple na Paradiso, que tem vários quiosques no centro, inclusive no Paseo Ahumada, um calçadão bem no centro da cidade. Sai menos de 3 reais e você se entope de sorvete.
Roupas de montanhismo e produtos eletrônicos custam praticamente a metade do que custariam no Brasil. Leve uma grana extra mas cuidado na alfândega!
Bjos e abraços (aguardo colaborações de infos!)

Sites Interessantes:

- Importante para quem pretende encarar a cordilheira.
- Tudo sobre esta região fascinante.
- Serviço Nacional de Turismo.
- Fomos muito bem atendidos nesta loja.

Comentários

  1. Realmente, tem outro nível, em relação aos cidades brasileiras e da America do Sul.
    Agora, o que mais gostei da viagem que fizemos, foi pegar o busão e ir para Mendoza.
    Pagamos 10 dólares e fizemos uma viagem inesquecível e maravilhosa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.