Pular para o conteúdo principal

Sobre Homens e Montanhas - Jon Krakauer

Para movimentar um pouquinho mais este blog vou dedicar um espaço semanal para comentar um pouco da minha vasta biblioteca de montanha e aventura. Assim tento ajudar quem busca informações sobre essa literatura marginal. Este é um texto que foi publicado em meu blog antigo, do tempo do George Nas Nuvens, o montanhista dos patrocínios.

Para começar um livro clássico: Sobre Homens e Montanhas, de Jon Krakauer.
Nunca fui muito fã do Krakauer. Nada contra jornalistas, mas às vezes sou levado a crer que eles distorcem um pouco as coisas e adaptam situações à conveniência. Seu relato publicado na Outside Magazine americana no outono de 1996 referente à famosa tragédia do 10 de maio, foi um exemplo disso. Tanto que criou-se a maior polêmica, principalmente no que se refere à atuação do guia russo Anatoli Boukreev. Em 1997 Jon Krakaeur publicou sua versão completa no clássico Into The Thin Air (No Ar Rarefeito em sua versão brasileira). A resposta foi imediata com Boukreev publicando The Climb – Tragic Ambitions on Everest (A Escalada).
Mesmo assim resolvi encarar a leitura de Eiger Dreams – Ventures Among Men and Mountains ( Sobre Homens e Montanhas). Tudo bem que a capa é nada a ver (um trabalho visual sobre uma imagem do Waldemar Niclevicz escalando o K2).
O livro é na verdade um apanhado de 12 reportagens que Krakauer publicou na Outside e publicou neste formato. Nele é possível ver que realmente Jon é um escritor dos melhores, independente de sua posição no caso citado anteriormente. O talento para escrever sobre esse nosso sub-mundo de montanhismo e escaladas é presente em todos os seus textos. Ele apresenta também um estilo investigativo, que o consagraria mais tarde com Into The Wild (Na Natureza Selvagem). O texto sobre a possibilidade da existência de uma montanha mais alta que o Everest é demais!!!
As histórias vão se somando uma atrás da outra, de leitura fácil e empolgante. Ótimo para fugir um pouco de temas batidos como livros exclusivamente sobre o Everest, que são os mais encontrados na nossa língua.
E aproveitando o espaço, você pode encontrar esse livro à venda na Território!
Super abraço a todos.

Comentários

  1. Ei, este é o livro que estou lendo no momento. Roubou meu post! :-)

    Abraços!
    Rodrigo Stulzer
    transpirando.com

    ResponderExcluir
  2. Fantástico este livro.
    Aliás gostei muito também do Na Natureza Selvagem e principalmente do No Ar Rarefeito, apesar das controvérsias.
    O livro do Anatoli torna-se obrigatório pra quem quiser saber mais sobre essa incrível história.
    Aguardo ansiosamente mais posts sobre a biblioteca de montanha.

    Abraço.
    Marcelinho

    ResponderExcluir
  3. hehe... Bão demais o livro. Vai rolar releases do livro do boukreev, do No Ar Rarefeito e de muitos outros de montanhismo, corridas e vida outdoor. Estante cheia, prontinha para ser comentada :-)

    abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.