Pular para o conteúdo principal

O Frio de Belo Horizonte segundo um Curitibano Corredor

Post parecido para assuntos parecidos. Mas estou voltando ao assunto devido à curiosidade típica que rola nestes tempos gélidos a respeito do que vestir, como treinar, o que fazer com a friaca que anda abraçando as Minas Gerais neste final de outono, início de inverno de 2009.

Esta massa de ar polar está se afastando. Hoje pela manhã os termômetros marcavam confortáveis 13 graus no Bairro de Santa Tereza, onde eu moro. Acredito que quem treina em locais altos como Belvedere, Mangabeiras e Sion deve sofrer mais que este corredor aqui que trota pelas margens do fétido Ribeirão Arrudas. Por sinal, no inverno ele fica menos fedido, talvez porque as pessoas tenham preguiça de usar o banheiro no frio (teoria furada, mas tudo bem), talvez porque as bactérias responsáveis pela decomposição do cocô trabalhem mais lentamente. O cocô seria decomposto apenas para as bandas de Sabará, logo a jusante, pobres vizinhos da capital mineira.

Deixando de lado a escatologia, eu citei no post anterior, que o maior incômodo para quem corre no frio belorizontino é o vento. Eita ventim danado, sô. Hoje cedo estive na Pista do Paredão no Bairro Mangabeiras e estava rolando um vento muito frio. Algumas pessoas correndo bem agasalhadas. Outras, heróis ou idiotas, correndo de shorts curtos e regatas.

É sempre uma decisão difícil escolher que roupa usar com este clima. Até mesmo porque existe a tendência de o dia esquentar com o passar dos minutos e das horas, correndo-se o risco de suar exageradamente com o acúmulo de peças de roupas.

Notei que minha receita de Curitiba não funciona muito bem aqui. Lá o clima é úmido, então não há muito como superaquecer. Você corre, sua e fica com a roupa molhada pois o suor não evapora dada a alta umidade do ar. Nestas condições eu corria com uma blusa chamada X-Thermo, da marca Solo, que me mantinha aquecido mesmo molhado. Uma calça de legging tipo esta da Kailash também me resolvia o problema. Se o termômetro baixava dos 10 graus usava ainda um protetor de orelha e umas luvas do mesmo material da blusa, que me garantia ótimo conforto térmico.

Pepe correndo 32 km em mata fechada sob garoa fina e frio de 10 graus na Serra do Mar paranaense. Não, não são faróis na alça da mochila, apenas um material refletivo indicando que o flash da câmera estava operando bem. Muita umidade, mas a temperatura estava agradável com o conjunto X-Thermo e Legging.



Porém este é um material que funciona super bem na umidade, como já disse. Em Belo Horizonte o agravante para baixar sua sensação de frio é o vento. Então melhor se proteger com corta-ventos, como esse da Solo, esse da Kailash, esse da Trilhas e Rumos ou esse da Salomon. Claro que existem os produzidos pelas marcas conhecidas de corrida, mas esses que citei são muito mais leves e mais compactos para guardar.

Para se ter uma idéia eu uso um da Solo que pesa menos de 100 gramas e tem a opção de ser guardado dentro do próprio bolso, o que acaba deixando-o pouco maior que um maço de cigarros (corredores sabem como é um maço de cigarros?). Enfim, é menor que uma garrafinha de água.

Pepe, Aline e Arnoldo durante trekking na Serra do Curral em BH sob vento. A jaqueta corta-vento Solo Ventus garantiu o conforto térmico.

Nas pernas uso bermuda de lycra, mas esse material uso no verão também, não gosto dos shorts curtinhos típicos de corredor. Quem usa esses modelos talvez prefira usar uma calça em lycra como as da Kailash ou as da Solo.

Gorros e luvas em BH acho um exagero. Porém cada um tem sensações diferentes de frio. Na última prova que corri, nas alturas do Belvedere, tinha uma menina correndo com uma luva enorme. Temperatura aproximada na hora da largada: 18 graus. Vai de cada um.

O que não pode é parar de treinar por este motivo. O clima de BH, principalmente no inverno é ideal para praticar atividades ao ar livre.

Um grande e caloroso abraço.

Comentários

  1. Correr agasalhado é um uó; eu, particularmente, detesto. Agora, subir a montanha de shortinho e camiseta é ser muuuito sem noção!! (Conhece alguém que fez isso recentemente?? Eu não... =D )

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.